X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Capixabas não têm medo de procedimentos estéticos

Maioria das pessoas deseja fazer tratamentos e cirurgias para se manter mais jovem

Lorrany Martins, do jornal A Tribuna | 25/07/2022 13:03 h

Ver o rosto inchar, ficar vermelho, queimar e descamar para depois ficar bonito parece não ser um problema para a maioria das pessoas no Espírito Santo. 

Segundo a pesquisa  feita pela Empresa Júnior da UVV (Ejuvv), junto com  jornal A Tribuna, 90% disseram que têm  coragem de se submeter a procedimentos agressivos e acreditam que isso é  normal em procedimentos. 

O tratamento chamado peeling de fenol, por exemplo, tem sido muito comentado nas redes sociais por causa do seu processo que descama a pele e causa feridas para que estimule o surgimento de uma pele rejuvenescida.

A dermatologista Karina Mazzini explica que esse tipo  de reação é normal até um certo limite. “Alguns são mais agressivos que outros, e aí vai depender da orientação do médico e da escolha do paciente. No meu caso, se existem tecnologias similares que são menos invasivas e vão garantir o mesmo resultado, sempre opto por elas em vez dessas mais agressivas”.

Ela explica ainda que o peeling de fenol é um procedimento antigo. “Mas a indicação de fenol é para a pele bem branca, porque  pode ter o risco de hipocromia residual (redução na tonalidade avermelhada) e  tantas complicações”.

 E ainda alerta: “O perigo é procurar por soluções milagrosas que viralizam nas redes sem ao menos consultar um profissional para saber se  realmente funciona e é seguro”.

 É preciso ser criterioso na hora da escolha do tratamento ou da cirurgia, como explica o cirurgião plástico Ariosto Santos.

“Hoje, há muitos nomes e técnicas que já são usadas pelos médicos, mas que alguns profissionais, para fazer marketing, propaganda, dão um novo nome. Mas as técnicas são as mesmas de sempre. É preciso ficar de olho também nas promessas de facilidades, como alta em 24 horas. Cirurgia plástica não é salão de beleza para fazer tudo no mesmo dia”, alerta. 

A vaidade faz bem até determinado ponto, a saúde vem sempre em primeiro lugar, enfatiza a dermatologista Sandra Federici.   

“Este limite é dado por cada um, devemos sempre colocar a nossa saúde na frente da vaidade… Mas acho que o envelhecimento deve ser gerenciado, fazer procedimentos de maneira prudente e aos poucos traz um rejuvenescimento natural e saudável. Deixar de se tratar não é a solução”.

"A autoestima melhora muito"

Débora Catarina Pfeilsticker
Débora Catarina Pfeilsticker |  Foto: Kadidja Fernandes/AT
  

Débora Catarina Pfeilsticker, 60 anos, se considera uma mulher vaidosa e adora se cuidar. Ela contou que está sempre ligada nas novidades em dermatologia e harmonização facial para se sentir cada vez mais bonita. Ela conta que um dos últimos procedimentos que fez foi com fios de PDO no rosto e pescoço para dar uma aparência mais jovem.

“Em agosto já estou agendada outra vez! Já fiz preenchimento de lábios e toxina botulínica. Gosto de fazer de forma que fique bem natural.   Além disso, sigo uma alimentação saudável, uso diariamente protetor solar e hidratantes com ácido hialurônico. Estou feliz! Realmente a autoestima melhora muito em todos os aspectos. Quando você está bem consigo mesma, tudo flui melhor”.

Saiba mais:

Procedimentos cirúrgicos 

1º - Aumento das mamas 

2º - Lipoaspiração

3º - Cirurgia das pálpebras

4º - Rinoplastia

5º - Abdominoplastia

Procedimentos não cirúrgicos

1º - Toxina botulínica (43,2% de todos os procedimentos não cirúrgicos)

2º - Ácido hialurônico

3º - Remoção de pelos

4º - Redução não cirúrgica de gordura

5º - Fotorrejuvenescimento

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS