X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Candidata negra foi rejeitada em cota de concurso por ser "bonita", diz desembargador

| 02/10/2020 10:33 h | Atualizado em 02/10/2020, 10:57

A economista Rebeca Mello, 28 anos.
A economista Rebeca Mello, 28 anos. |  Foto: Acervo pessoal
O Tribunal de Justiça do Distrito Federal determinou que uma candidata que foi excluída do sistema de cotas seja readmitida no processo de um concurso do Ministério Público para o qual foi aprovada em 2018. As informações são do Uol.

Para o desembargador Teófilo Caetano, a economista Rebeca da Silva Mello, 28, foi eliminada porque a banca examinadora considerou que ela não sofreu discriminação por ser "bonita" e não ter características físicas associadas pessoas negras, como "cabelo crespo, nariz e lábios extremamente acentuados e cor da pele negra evidenciada" — escreveu o juiz na decisão.

Segundo o magistrado, o Cebraspe, organizador do concurso, adotou um critério "subjetivo" em relação a Rebeca e no sentido inverso do sistema cotas, "destinado a eliminar e reparar desigualdades históricas".

Em manifestação feita à Justiça durante o processo judicial, o Cebraspe afirmou que, para ingressar pelo sistema de cotas, a pessoa deve ser considerada parda e possuir também "características fenotípicas de pessoas negras".

De acordo com a decisão judicial, Rebeca comprovou ser descendente de quilombolas. Ela prestou concurso para técnico administrativo do MPU (Ministério Público da União), cargo cujo salário inicial é de cerca de R$ 7 mil.

Após passar na prova, a economista foi chamada para uma entrevista para verificar suas características de negra, mas foi desclassificada por três avaliadores que consideraram que ela não tinha direito ao sistema de cotas.

Rebeca ganhou a ação na Justiça. O Cebraspe recorreu da decisão. Agora, na segunda instância, Rebeca ganhou por 3 votos a 2 e espera ser nomeada após a pandemia de coronavírus.

Em sua defesa na Justiça, o Cebraspe disse "o fato de uma pessoa ser não branca não significa reconhecer compulsoriamente que seja negra".

"O pardo, para fins da política de inclusão em foco, deve ser entendido como o preto de pele clara, e deve apresentar, independentemente de ter a cor de pele mais clara, características fenotípicas de pessoas negras, as quais serviram ao longo de sua vida como obstáculo, colocando-o à margem da sociedade", disse o advogado do Cebraspe, Daniel Barbosa Santos ao Uol.

Segundo o Estatuto da Igualdade Racial, a população negra é formada por pessoas que se declaram pretas ou pardas, os critérios definidos pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A legislação não prevê que, para ser elegível ao sistema de cotas para negros, o candidato tenha que ter sofrido ou sofre discriminação.

Para Rebeca, o argumento do Cebraspe não tem nenhum sentido. "Eu sou negra, mas não posso ser para o sistema de cotas? É uma loucura", disse à reportagem do Uol.

O desembargador Teófilo Cateano viu "preconceito" nas afirmações do Cebraspe. Para ele, tratou-se de "análise estética".

“Somente as negras [ou] pardas que não apresentam traços estéticos socialmente estabelecidos como padrão de beleza são as que sofreram discriminação social e preconceito racial e estariam habilitadas a ingressar no serviço público pelo sistema de cotas?", questionou Caetano.

O magistrado disse que, ao contrário, critérios "superficiais e especulativos" sobre "quem 'realmente' sofrera preconceito" avivam preconceitos "nefastos".

O outro lado

O Cebraspe negou ter havido preconceito no concurso e disse que as características físicas da candidata a impediam se ser selecionada como cotista. "De forma alguma há, na apelação deste centro, menção a padrão de beleza ou qualquer argumento de cunho preconceituoso", afirmou a assessoria da organização do concurso. A banca avalia se o candidato possui características físicas de uma pessoa negra, por meio da verificação da textura dos cabelos, da cor da pele, entre outras. Esse procedimento é feito por banca composta por membros com experiência em políticas públicas de enfrentamento ao racismo", disse o Cebraspe ao Uol.

Considerada negra e, depois, branca

Rebeca comemorou a vitória judicial, mas disse lamentar que situações como a vivida por ela façam os adversários das políticas afirmativas justificarem a ideia de que elas devam ser extintas.

"Quem é contra o movimento negro usa isso para dizer que não vai dar certo, que é discriminatório. O que era para melhorar está criando uma dissidência sem sentido nenhum", afirmou.

A economista também foi aprovada no concurso do Itamaraty, com salários de R$ 17 mil por mês. Foi considerada negra e, depois, branca. O caso está em curso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região desde 2017.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS