X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

"Brincadeira da rasteira" pode levar à morte, alerta médico

| 11/02/2020 16:05 h | Atualizado em 13/02/2020, 14:16

Uma brincadeira feita principalmente entre adolescentes no ambiente escolar está virando "febre" e preocupa pelos riscos de queda e até de morte. Chamada de "brincadeira da rasteira", o objetivo é derrubar o colega com as pernas.

Médico alerta para brincadeira.
Médico alerta para brincadeira. |  Foto: Divulgação
Três pessoas ficam posicionadas uma ao lado da outra e as duas da ponta pulam, pedindo em seguida que a pessoa que está no meio também dê um salto. Logo que ela pula, os colegas das pontas dão uma rasteira e a pessoa cai imediatamente de costas, normalmente batendo a cabeça no chão.

Já são inúmeros vídeos compartilhados nas redes sociais. Muitos são de adolescentes dentro de escola, usando uniforme e "brincando" na hora do intervalo. Em outros, adultos dão o salto e em um deles a pessoa cai e desmaia.

Alerta
O ortopedista Lourimar Tolêdo alerta que uma queda desse tipo pode inclusive levar à morte. "Eu também recebi um desses vídeos hoje (terça-feira) e fiquei horrorizado. É uma brincadeira muito perigosa, de mau gosto, que coloca a pessoa em vários riscos, inclusive o de morte", declarou.

Lourimar Tolêdo diz que a cirurgia é feita com pequenas incisões e a ajuda de uma câmera de vídeo de alta resolução específica
Lourimar Tolêdo diz que a cirurgia é feita com pequenas incisões e a ajuda de uma câmera de vídeo de alta resolução específica |  Foto: Divulgação
O médico pontua os riscos: "Essa queda ao solo pode provocar lesões nos membros, na coluna e até mesmo traumatismos cranianos. Na tentativa de se apoiar durante a queda, pode fraturar punho, braço, cotovelo e o ombro. Na coluna, há risco de comprometer até a medula espinhal, ocasionando déficits neurológicos. No caso de traumatismo craniano, a pessoa pode ter sequelas neurológicas graves que até levem à morte".

Lourimar finaliza alertando os pais e também as escolas para o monitoramento e inibição desse tipo de "brincadeira".

"As famílias devem conscientizar as crianças e adolescentes a não praticarem isso. Até mesmo as escolas devem estar alertadas. Uma 'brincadeira' dessas pode destruir uma vida e uma família inteira", disse.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS