X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Aumentam as chances de vencer o câncer de mama

| 06/10/2020 16:29 h | Atualizado em 06/10/2020, 17:52

Apesar de ser o tumor mais comum entre as pacientes e a doença que mais mata mulheres, o câncer de mama tem até 90% de chance de ser curado se for detectado precocemente, dizem especialistas.

Diagnóstico precoce, medicamentos com menos efeitos colaterais e novas modalidades de tratamento são algumas das medidas que podem aumentar as possibilidades de vencer a doença.

A oncologista clínica Kítia Perciano destaca que, embora a incidência do câncer de mama tenha aumentado, a mortalidade pela doença tem diminuído. Isto ocorre, segundo ela, em função da mamografia e das melhores técnicas do tratamento.

A médica ressalta que as técnicas modernas melhoraram tanto a qualidade como o tempo de vida.

“A quimioterapia tem drogas cada vez mais específicas, que melhoram a taxa de resposta e a chance de cura. Na radioterapia, também houve evolução. Por causa dos novos aparelhos e do planejamento melhor, o tratamento é feito em três dimensões, poupando o pulmão e o coração de pegarem radiação”, explicou.

“As pessoas que tratavam de câncer de mama e faziam radioterapia na mama esquerda, por exemplo, tinham mais chance de terem infarto”, completou.

A oncologista clínica Fernanda Cesar, do Cecon, pontuou que está mais fácil vencer o câncer de mama e que, para melhorar a vida do paciente, existem cada vez mais medicamentos com menos efeitos colaterais ou que são ferramentas para reduzir os efeitos colaterais.

“Na década de 1970, por exemplo, o câncer era diagnosticado mais tardiamente, mas os métodos de diagnóstico melhoraram, os pacientes conhecem mais sobre a doença também”, destacou.

A oncologista Sabina Aleixo reforçou os avanços no diagnóstico da doença. “Temos aparelhos de mamografia e de ressonância melhores, permitindo que façamos o diagnóstico em lesões muito pequenas, o que aumenta a chance de cura. Avançamos também em relação aos exames moleculares e conhecemos melhor o câncer”.

Silmara Schneider, 48, e Rosinélia Cezário Loureiro, 57, vizinhas de condomínio, venceram o câncer
Silmara Schneider, 48, e Rosinélia Cezário Loureiro, 57, vizinhas de condomínio, venceram o câncer |  Foto: Beto Morais/AT

Elas ganharam a luta contra o tumor

Mais de 66 mil novos casos de câncer de mama ocorreram este ano, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca). Para ajudar a reduzir esse número, campanhas de conscientização e prevenção da doença ganham mais espaço, como o Outubro Rosa.

Apesar da dificuldade para enfrentar esse tipo de tumor, várias histórias provam que é possível vencer a luta, principalmente, com o apoio de familiares e amigos.

Com esse apoio, a psicopedagoga Silmara Schneider, 48, e a contadora Rosinélia Cezário Loureiro, 57, vizinhas de condomínio, conseguiram vencer a doença juntas.

Silmara descobriu a doença há quatro anos, por meio do autoexame. “Nunca pensei em desistir. Foi difícil, mas, como tive muito apoio dos meus familiares e amigos, a certeza de que tudo daria certo foi grande dentro de mim. Eu sempre falava que não ia morrer e isso me ajudou a não desistir”, relatou.

A psicopedagoga dá palestras e pretende lançar um livro sobre a história de superação. Já a contadora Rosinélia, que também descobriu a doença por meio do exame de toque, praticamente junto com Silmara, em 2016, conta que as 16 sessões de quimioterapia não a fizeram desistir da vida.

“Como meu cabelo estava caindo muito, quis logo raspar a cabeça. Não ligava para isso. É claro que a doença foi triste, mas o apoio psicológico que recebi e o carinho dos meus familiares me deram muita força”.

O autoexame das mamas e a mamografia são fundamentais para a descoberta da doença e tratamento eficaz. Diretor clínico do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV), o radio-oncologista Carlos Rebello destaca a importância desses exames.

“O autoexame vem nos ajudar muito porque, com ele, a gente consegue detectar um nódulo na fase inicial. Ainda assim, é preciso fazer mamografia, que nos fornece o diagnóstico precoce. Ela deve ser feita nas pacientes acima de 40 anos de forma anual. Naquelas pacientes que têm histórico familiar de tumor de mama, a recomendação é fazer acima dos 30 anos”.

Estado registra 898 novos casos em seis meses

Produtora de conteúdo Renata Pimentel Araújo fez tratamento contra o câncer
Produtora de conteúdo Renata Pimentel Araújo fez tratamento contra o câncer |  Foto: Wanderson Lopes/ Divulgação
Nos seis primeiros meses deste ano, pelo menos, 898 mulheres foram diagnosticadas com câncer de mama no Estado. Os dados são do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde.

No País inteiro, a estimativa é de que surjam 66.280 novos casos desse tipo de câncer até o final do ano. De acordo com a estimativa, no Espírito Santo, serão 790 novos registros e na Grande Vitória, 80, no mesmo período.

O médico ginecologista Remegildo Gava reforça a importância do monitoramento, da conscientização e do autocuidado na cura do câncer de mama. Ele explica a importância das consultas regulares com o ginecologista.

“Estar atenta ao próprio corpo é fundamental, mas é preciso ir regularmente ao ginecologista, que vai fazer o exame clínico e indicar como será o acompanhamento preventivo”, explicou.

Segundo o especialista, em geral, o rastreamento deve ser feito a partir dos 40 anos de idade. Se existir um caso na família, como tia, irmã ou mãe, o indicado é realizar o exame a partir dos 35.


“Eu venci a doença”

A produtora de conteúdo Renata Pimentel Araújo, de 45 anos, descobriu o câncer de mama em agosto de 2017. O tratamento foi iniciado rapidamente e provocou queda dos cabelos, aumento de peso e retirada da mama esquerda.

“Na época, eu não me reconhecia em frente ao espelho: estava gorda, careca e sem um dos seios. Confesso que não foi fácil, mas eu não desisti. Graças ao apoio psicológico que tive e o amor da família, eu venci a doença”, comemora.



DICAS DE PREVENÇÃO


Não fume

  • Ao fumar, são liberadas no ambiente mais de 4.700 substâncias tóxicas e cancerígenas, que são inaladas por fumantes e não fumantes.

Tenha boa alimentação e evite o excesso de peso

  • Alimentos gordurosos aumentam os riscos de câncer de mama.
  • Além da alimentação saudável, a atividade física também contribui para se proteger contra o câncer.


Reduza a ingestão de bebidas alcoólicas

  • Combinar bebidas alcoólicas com o tabaco aumenta o risco de surgimento da doença.

Faça o autoexame e a mamografia regularmente

  • O autoexame, por meio do toque nas mamas, é muito importante para notar qualquer alteração.
  • Além disso, é preciso realizar a mamografia regularmente, pois alguns tumores não são percebidos apenas através do toque.
Fontes: Inca e especialistas entrevistados.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS