search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Celso de Mello libera vídeo e toca fogo no circo
Cláudio Humberto
Cláudio Humberto

Cláudio Humberto


Celso de Mello libera vídeo e toca fogo no circo

Ministro Celso de Mello (Foto: Agência Brasil)
Ministro Celso de Mello (Foto: Agência Brasil)

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), não explicou a utilidade da sua decisão de liberar quase a íntegra do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril. Experiente, o decano do STF sabia que faria “o circo pegar fogo”, mas seria inútil ao inquérito que apura a suposta “interferência” de Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

Para o Planalto, a divulgação do vídeo objetivou criar nova crise política, à falta de meios de apontar prática de crime pelo presidente da República.

E o inquérito, afinal?

O inquérito é contra Bolsonaro, mas Celso de Mello só viu “possível prática criminosa” de Abraham Weintraub (ministro da Educação), que xingou o STF.

Novo rato parido

Na investigação sobre “interferência na PF”, a montanha novamente pariu um rato. O primeiro rato foi parido do depoimento de Moro à PF.

Saiu pela culatra

A avaliação geral, percebida nas redes sociais, é de que o desabafo no vídeo da reunião ministerial fez bem à popularidade de Bolsonaro.

Tanto barulho por nada

O inquérito sobre denúncias de Moro gerou apenas uma crise política desnecessária, em tempo de pandemia, e show midiático. Nada mais.

Ministro verborrágico

Abraham Weintraub perdeu a chance de não dizer outra idiotice, ao destratar Brasília. A cidade que o ministro da Educação odeia é apenas vítima de gente da sua laia que a invade para falar e fazer idiotices.

Voos triplicam um mês após auge da pandemia

A aviação foi um dos setores que mais sofreu com efeitos da pandemia do coronavírus. O número de voos diários monitorados pelo site FlightRadar24 caiu de uma média de 190 mil voos em janeiro deste ano para 46 mil no dia 12 de abril, auge das medidas de isolamento social.

Desde então, no entanto, o total de voos voltou a aumentar, com retorno gradual à normalidade na maioria dos países. Na última quinta-feira, por exemplo, o número quase triplicou e atingiu 121 mil voos.

Situação dos passageiros

A média de voos comerciais monitorados era de 112 mil em janeiro despencou para 23,9 mil, o que equivale a uma queda de 79%

Ritmo mais lento

A volta à normalidade no caso dos voos comerciais vai demandar mais tempo, mas já aumentaram 62,7% desde o auge da pandemia.

Bolsa cias. aéreas

Na França, EUA, Grã-Bretanha, Espanha, Alemanha, Noruega etc., companhias aéreas estão recebendo ajuda bilionária dos governos.

Optou pela tensão

Ao dar sequência a ações da oposição que tenta usar o STF para humilhar o Presidente, com possível apreensão do seu celular, em vez de monocraticamente mandar isso para o arquivo, o ministro Celso de Mello pode ter optado, além de investigar, por esculachar o Chefe do governo.

Esculacho não dá

Quando, cercado, Elias Maluco se entregava à polícia do Rio de Janeiro, que o caçava pelo assassinato covarde do jornalista Tim Lopes, pediu: “Não me esculacha, não?”. Nem bandidão tolera esculacho.

Vale tudo

Partidos de oposição alegam inúmeros crimes para pedir o impeachment. Faltou acusar Bolsonaro de mandante do assassinato de John Kennedy e de afirmar que o culpado do famoso crime foi ele e não Odete Roitman.

Pensão será trocado

Sergio Moro fará nova palestra internacional na próxima quarta-feira sobre combate à corrupção e lavagem de dinheiro. Em inglês, o ex-ministro e ex-juiz já percebeu que a carreira fora do serviço público será bem mais rentável.

Clipper de volta

Após três meses fechado pela pandemia, o tradicional boteco carioca Clipper, do Leblon, reabriu ontem para delivery. Vivia lotado. Ontem já tinha bebum ilustre na calçada e gritando impropérios contra o ministro Celso de Mello, que nasceu no mesmo ano do Clipper: 1945.

Dois PTs

Começam a surgir previsões de desemprego em torno de 30 milhões de pessoas após o fim da pandemia. O número seria um recorde no Brasil e equivale a pouco mais do dobro de desempregados deixados pelo PT.

Pessoas e meio ambiente

A Vale alardeia doação de testes ao governo, mas cala sobre a decisão judicial de liberar ao combate do coronavírus R$ 1 bilhão das multas que a mineradora deve pagar pelos crimes ambientais em Brumadinho.

Pensando bem...

...para os mais antigos, o protesto do general Augusto Heleno fez parecer que o governo ameaçou “chamar o general Walter? Pires”.

Este imenso Brasil

Gervásio Raimundo era candidato a deputado estadual, em Alagoas, e foi participar de um comício em Estrela, antigo Bola. Saudou a assistência: “Povo do Bola!...”

Um aliado cochichou: “Eles não gostam de ser chamados assim”. Gervásio corrigiu: “Tá bom. Queridos amigos bolivianos!...”

O amigo insistiu: “Boliviano é quem nasce na Bolívia...” Gervásio se irritou, gritando ao microfone: “Oxente, e não é tudo Brasil?”

Colaboram: André Brito, Jorge Macedo e Tiago Vasconcelos

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Cláudio Humberto

Temer se recusou a assinar MP que o STF alterou

Burocratas ligados à área econômica do governo federal tentam já há algum tempo emplacar uma medida provisória que vire lei protegendo-os de punição por erros que tenha cometido no exercício de suas …


Exclusivo
Cláudio Humberto

Vídeo revela relação desgastada com Sergio Moro

Na reunião presidencial de 22 de abril, que o ministro Celso de Mello (STF) jogou no ventilador sem qualquer utilidade para o inquérito que motivou sua apreensão, o presidente Jair Bolsonaro já …


Exclusivo
Cláudio Humberto

Centrão: não haverá “toma lá, dá cá” com o governo

O deputado Arthur Lira (AL), líder do PP e do “Centrão”, confirma as conversações com o governo Bolsonaro, mas deixou claro que é “tudo feito às claras”, sem subterfúgios, sem “é dando que se recebe” …


Exclusivo
Cláudio Humberto

Frias fatura e Regina ganha Cinemateca quebrada

A atriz Regina Duarte descobriu amargamente que política e Brasília não são para principiantes. Após meses driblando armadilhas, cascas de banana e traições, ela desistiu quando viu o presidente Jair …


Exclusivo
Cláudio Humberto

Votações do MPF são vulneráveis a fraude, diz CGU

Auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU) levou a constatações devastadoras sobre o sistema eletrônico de votação do Ministério Público Federal (MPF), inclusive para escolha de lista tríplice …


Exclusivo
Cláudio Humberto

Opositores de Bolsonaro já adotam a cloroquina

Enquanto se repete a ladainha de que a ciência ainda não aprovou o uso da cloroquina contra a Covid-19, políticos que acusavam o presidente Jair Bolsonaro de “irresponsabilidade” pela discussão …


Exclusivo
Cláudio Humberto

ANS fatura com clientes lesados pelos planos

A ANS não se envergonha de mostrar que a prioridade não é o cidadão prejudicado pelos planos de saúde. Muito esperta, a agência reguladora multou uma operadora, Allcare, por rescindir unilateralmente …


Exclusivo
Cláudio Humberto

Bullying de Bolsonaro foi demais para Teich

Foi uma sequência inédita de humilhações públicas em prazo curto de apenas 28 dias, um recorde, até que o ex-ministro da Saúde Nelson Teich desistiu. Ele não suportou o aviso do Presidente de …


Exclusivo
Cláudio Humberto

De médica ao Centrão, Bolsonaro avalia opções

O presidente Jair Bolsonaro tem dificuldades para definir o novo ministro da Saúde, mas não por falta de opções. Ele novamente tentou levar ao cargo a médica Nise Yamaguchi, defensora do uso da …


Exclusivo
Cláudio Humberto

Brasil provoca China associando-se à Austrália

O governo do Brasil flerta com o perigo: avalia se juntar à Austrália na defesa de “investigação independente” das origens da Covid-19 na China. O chanceler Ernesto Araújo conversou demoradamente, …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados