search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Capixaba vai jogar na primeira divisão da Bolívia

Esportes

Esportes

Capixaba vai jogar na primeira divisão da Bolívia


Gugu foi apresentado ao lado do presidente Jaime Edwin (Foto: Divulgação/Aurora)
Gugu foi apresentado ao lado do presidente Jaime Edwin (Foto: Divulgação/Aurora)

Natural de Aracruz, o capixaba Gugu vai disputar a primeira divisão da Bolívia. O atacante de 23 anos acertou com o Aurora, tradicional clube da primeira divisão boliviana. E apesar de já sentir o peso da altitude, ele pensa em uma rápida adatação e em estreia no clássico contra o Jorge Wilstermann.

Os dois rivais são de Cochabamba, cidade que fica a 2.560 metros em relação ao nível do mar, e se enfrentam na próxima quinta-feira (30), pela terceira rodada do Campeonato Boliviano.

“O processo adaptação está sendo um pouco mais difícil porque a altitude cansa mais rápido. Não é a mesma coisa de jogar no Brasil e em outros lugares. Você joga 45 minutos do primeiro tempo e já cansa, o que é normal. Mas acredito que em duas ou três semanas já estarei adaptado para jogar os dois tempos”, acredita Gugu.

Campeão boliviano em 1963 e do Torneio Clausura em 2008, o Aurora ocupa a quarta colocação no momento, com três pontos, depois de uma vitória e uma derrota. A meta do clube é brigar pelo título ou, pelo menos, por vaga em Libertadores ou Sul-Americana.

Gugu surgiu como grande promessa no futebol capixaba em 2015, quando marcou oito gols pelo Linhares no Capixabão daquele ano, com apenas 18 anos. O desempenho o fez ir para a base do Avaí. No Espírito Santo, ele também atuou por Rio Branco, Real Noroeste e Aracruz, antes de se aventurar na Arábia Saudita, onde atuou nas duas últimas temporadas na segunda divisão, por Al-Jeel e Al-Najoom.

A TRIBUNA — Qual sua expectativa para atuar pela primeira vez no futebol boliviano?
GUGU — Como vai ser a primeira vez no futebol boliviano, aqui a visibilidade é bem melhor do que na Arábia Saudita, também por ser primeira divisão, que joga contra times de Libertadores, e o Aurora é time grande aqui. Tem muita torcida.

O Aurora já disputou Copa Sul-Americana. Quais são as pretenções do clube para esta temporada?
O Aurora aqui é um time grande, talvez não tão conhecido no Brasil, mas aqui é bastante conhecido. O pensamento do time é se manter entre os quatro, para que se não vier o título pegar uma classificação para a Libertadores ou Sul-Americana. E acho que vai dar certo porque o time é muito bom.

Acha que a adaptação na Bolívia vai ser mais fácil do que a que teve na Arábia Saudita?
O processo adaptação está sendo um pouco mais difícil porque a altitude cansa mais rápido. Não é a mesma coisa de jogar no Brasil e em outros lugares. Você joga 45 minutos do primeiro tempo e já dá uma “cansada”, o que é normal. Mas acredito que em duas ou três semanas já estarei adaptado para jogar os dois tempos.

O maior clássico do Aurora é contra o Jorge Wilstermann. Ansioso para atuar nessa partida?
É o maior clássico aqui de Cochabamba. Todos estão falando, eu moro perto do estádio. Acredito que no jogo de quinta-feira (30) teremos umas 30, 35 mil pessoas no estádio (Félix Caprilles, do Aurora), por ser bem disputado e de grande rivalidade. Se Deus quiser vou poder fazer minha estreia porque já estou regularizado e à disposição do treinador.

Como foi sua passagem pelo futebol árabe?
Minha última passagem no futebol árabe foi no Al Najoom, mas disputei poucos jogos, fiz só cinco e fiz um gol ainda. Só que o time é rival do que eu joguei na temporada 2018/2019, onde pude fazer mais gols (7 gols e 8 assistências em 24 jogos) e terminar em quinto lugar. Saí do Al Najoom por causa da briga entre diretoria e presidente e nós fizemos um acordo porque eu tinha uma proposta para ir para a Europa. Só que devido à cláusulas contratuais e à janela de transferência não deu certo de ir para Europa. Surgiram outras oportunidades, mas eu preferi abraçar aqui na Bolívia e acredito que vai dar tudo certo.

Como sua família e amigos de Aracruz reagiram com seu acerto com o Aurora?
Minha família foi a primeira a saber, já estava esperançosa que ia dar certo. Todos ficaram felizes, sempre torcendo por mim. Graças a Deus estou aqui, teve apresentação oficial, e no clássico de quinta-feira (30) já devo estrear. Ainda não sei, mas estou em um processo de adaptação ainda.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados