search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Capixaba na Albânia ficou surpreso com torcida na laje, em jogo sem público

Esportes

Publicidade | Anuncie

Esportes

Capixaba na Albânia ficou surpreso com torcida na laje, em jogo sem público


Teco atua na Albânia, onde já passou por terremoto e agora convive com a pandemia (Foto: Divulgação/KF Laçi)
Teco atua na Albânia, onde já passou por terremoto e agora convive com a pandemia (Foto: Divulgação/KF Laçi)
Assim como os demais campeonatos que voltaram a ser realizados em meio à pandemia do novo coronavírus, os jogos do Campeonato Albanês também vêm acontecendo com portões fechados para público. Mas a torcida do KF Laçi, time do capixaba Teco, recentemente arrumou um jeito para acompanhar a equipe mesmo assim.  

Desobedecendo as normas sanitárias, muitos torcedores se aglomeraram em cima de uma laje ao lado do estádio para conseguirem assistir ao jogo contra o KF Kukësi. Eles, porém, só conseguiram acompanhar parte da vitória da equipe por 2 a 0, já que depois de alguns minutos foram retirados do local pela polícia.  

“Essa situação foi até engraçada porque a gente estava na adrenalina do jogo e, do nada, ouvimos os torcedores gritando e apareceram em cima de uma casa, de uma laje, para nos incentivar. Mas a polícia logo os tirou de lá. Só que eles continuaram cantando do lado de fora do estádio”, lembra o atacante capixaba Teco, natural de Mucurici, que no futebol capixaba atuou por Real Noroeste e Desportiva.  

Apesar da proibição de ir ao estádio, a torcida se aglomerou em uma laje para acompanhar o jogo do time do capixaba (Foto: Reprodução de vídeo)
Apesar da proibição de ir ao estádio, a torcida se aglomerou em uma laje para acompanhar o jogo do time do capixaba (Foto: Reprodução de vídeo)

“A nossa torcida é fanática. Não é muito grande, mas os que tem fazem muito barulho. Então nos incentiva bastante”, emenda o jogador de 25 anos, relembrando o fato que aconteceu em partida disputada no final de junho. 

Além da torcida na laje - fato que também costuma acontecer em jogos com público nas divisões inferiores do futebol brasileiro -, a primeira divisão do Campeonato Albanês também desperta curiosidade por ter apenas dez equipes, diferentemente das principais ligas europeias, que têm 20 clubes, em média.  

O time do capixaba faz boa temporada e ocupa a terceira posição, com 55 pontos, estando neste momento na zona de classificação para a Liga Europa, segunda competição continental de clubes mais importante na Europa. No Campeonato Albanês, apenas o primeiro colocado vai para a Liga dos Campeões e o segundo e terceiros ficam com as duas únicas vagas para a Liga Europa.  

“O futebol na Albânia é muito físico e tático. Se você não se encaixar nessas duas opções é difícil o cara jogar aqui. O cara aqui não joga só com técnica não. O principal objetivo do clube é chegar na Europa League (Liga Europa), que é onde os dirigentes dos clubes conseguem fazer negócios, vender os jogadores. No ano passado disputamos e dois jogadores foram vendidos. Vai ser um sonho disputar novamente a Europa League, vou ficar muito feliz se conseguir esse objetivo”, afirma o capixaba. 

Terremoto  

Além de estar passando pela pandemia do novo coronavírus na Albânia, longe de casa, Teco viveu outro momento difícil por lá. Ele estava na Albânia quando um forte terremoto de magnitude 6,4 atingiu o País do sudeste da Europa, em novembro do ano passado. 51 pessoas morreram e mais de 2 mil ficaram feridas. Cerca de 6300 mil albaneses perderam suas casas.  

“Acho que foi o dia mais difícil para mim porque quando teve esse terremoto eu senti. Eu estava em casa sozinho, cara. Então passei um medo e tomei um susto muito grande. Até conversei com o presidente para eu ir embora porque nunca tinha vivido esse negócio de terremoto no Brasil. Mas o clube deu total suporte para mim e graças a Deus estou bem”, lembra o jogador. 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados