search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Câncer é principal causa de mortes entre pets
AT em Família

Câncer é principal causa de mortes entre pets

Lysandra mostra Mila, de 11 anos, que foi diagnosticada com a doença (Foto: Acervo pessoal)
Lysandra mostra Mila, de 11 anos, que foi diagnosticada com a doença (Foto: Acervo pessoal)
Por Kariny Baldan, do jornal A Tribuna

Uma doença temida em humanos também afeta os animais: o câncer. Cães e gatos podem desenvolver tumores e, portanto, os tutores devem estar atentos a nódulos e mudanças em seus companheiros peludos.

Estudos indicam que a doença já é a principal causa de morte entre cães e gatos. Segundo especialistas, isso pode estar relacionado ao aumento na expectativa de vida dos pets nas últimas décadas, já que a idade avançada é fator de risco.

A boa notícia é que os tratamentos também avançaram, garantindo maiores e melhores condições aos pets.

Mila, de 11 anos, foi diagnosticada com a doença no ano passado. A tutora, a veterinária Lysandra Barbieri, 27, conta que a peludinha estava com um nódulo na pata e teve de passar por cirurgia e quimioterapia.

“Ela reagiu bem e o tratamento foi tranquilo”, recorda. “Agora está fazendo o acompanhamento pós-quimio. Felizmente, no último exame não foi identificado câncer.”

Mila teve mastocitoma, um dos tipos de câncer mais comuns nos cães, segundo a veterinária Jéssica Miranda Cota.

“Vários tipos de câncer diagnosticados em humanos também afetam os pets. O quanto antes identificar, melhor para o paciente”, destaca Jéssica. “Muitos tutores pensam se vale a pena submeter o animal ao tratamento, mas a vida sempre vale a pena e nós conseguimos dar qualidade de vida ao animal.”

A médica veterinária oncologista Alice Corrêa Rassele Merísio reforça que “quanto antes for detectada, maior é a chance de alcançar o controle da doença”.

Nódulos, aumento de volume, feridas que não cicatrizam e alterações hematológicas (no sangue) que não respondem a tratamentos convencionais indicam possibilidade de ser um câncer, pontua Alice.

“Aqui no Estado estamos bem avançados no tratamento de câncer com tecnologias para garantir que o paciente irá passar pelo tratamento bem. A nossa prioridade é a qualidade de vida”, afirma.

As veterinárias destacam ainda a importância dos cuidados preventivos, como castração no momento apropriado, acompanhamento periódico, controle de alergia, evitar exposição solar dos que têm pelos brancos e, em gatos, evitar infecção pelos vírus FIV e Felv.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados