search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Cabeleireira morre depois de fazer cirurgia plástica em clínica

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Cabeleireira morre depois de fazer cirurgia plástica em clínica


Foto de Edisa tirada antes da cirurgia plástica, na clínica (Foto: Reprodução/Twitter)
Foto de Edisa tirada antes da cirurgia plástica, na clínica (Foto: Reprodução/Twitter)

A cabeleireira Edisa de Jesus Soloni, de 20 anos, morreu após passar por uma cirurgia plástica realizada em uma clínica na Zona Sul de Belo Horizonte, em Minas Gerais. As informações são do site BHAZ. 

Em entrevista ao site mineiro, a irmã da vítima, Samea Soloni afirmou que o procedimento deveria ter sido feito em um hospital. 

“Os exames do pré-operatório mostraram que ela tinha uma pequena mancha no coração, que estaria apta a operar, mas tinha que ser em um hospital, não poderia ser na clínica. E o médico cirurgião sabia disso, mas não seguiu a recomendação”, contou Samea ao BHAZ.

De acordo com a familiar, Edisa estava planejando a cirurgia desde maio e estava bem animada para realizar os procedimentos estéticos de lipoescultura, enxertia de glúteo e lipopada.

Samea acompanhou tudo e explicou ao BHAZ que Edisa passou mal na clínica e precisou ser levada com urgência para o Hospital Felício Rocho.

“O procedimento durou uma hora e meia, acabou por volta das 16 horas de sábado e eles não esperaram minha irmã voltar da anestesia no bloco cirúrgico, levaram ela direto para o quarto. O médico só passou por lá e disse que estava tudo bem. Depois minha irmã começou a acordar já passando muito mal, com pressão baixa, convulsão. A saturação do oxigênio dela chegou a 44”.

Edisa teria chegado ao hospital por volta das 20 horas e foi atendida pela equipe médica, que constatou uma embolia pulmonar na paciente.

Por telefone, o cirurgião responsável alegou para Samea que ocorreu uma fatalidade e lamentou a morte da irmã dela. Um boletim de ocorrência foi registrado, pela família da vítima, na 1ª Delegacia de Polícia Civil. Ao jornal, a Polícia informou que instaurou inquérito para apurar as circunstâncias da morte da cabeleireira. 

Amigos e parentes de Edisa afirmaram estar inconformados com a falta de assistência do cirurgião plástico. Segundo testemunhas, ele disse que foi uma fatalidade, mas agora tem evitado falar com a família da jovem. 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados