search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Briga de casal
Regina Navarro Lins
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins


Briga de casal

Devido ao descompasso entre o que se esperava da vida a dois e a realidade, as frustrações vão se acumulando e, de forma inconsciente, gerando ódio. Mas até chegar a esse ponto, o casal se esforça para manter a fantasia do par amoroso idealizado.

Concessões... e mais concessões

Os casais toleram demais um ao outro, fazendo inúmeras concessões, abrindo mão de coisas importantes, acreditando que é necessário ceder. Como nem sempre isso traz satisfação, eles se cobram e se criticam e se acusam.
As brigas se sucedem. Para Virginia Sapir, famosa terapeuta familiar americana, por causa da sensação de fracasso, o que mais se vê no casamento são sentimentos de desprezo e de desvalorização, de um para o outro, e de cada um por si.
Dependendo do casal, as acusações podem se renovar ou ser as mesmas, sempre repetidas.

Amigos constrangidos

Para José Ângelo Gaiarsa, psicoterapeuta e escritor, uma das coisas mais desagradáveis que existem é conviver com um casal que briga, mas, juntos há muito tempo, não percebem o absurdo de se viver dessa forma.

Quando saem com um grupo de amigos e praticamente não precisam se comunicar, ainda passa. Mas quando só há mais uma ou duas pessoas e todos conversam juntos...
Muitas vezes, na maioria dos casos, eles aproveitam justamente a presença dos outros para se agredirem, criando uma situação constrangedora. Mesmo que os ataques sejam sutis e disfarçados.

Rancor matrimonial

“Não conheço rancor pior que o matrimonial. A maior parte dos casamentos são de precários a péssimos. A cara das pessoas nessa situação fica de uma feiura moral que assusta. O clima em torno dos dois é literalmente irrespirável, sobretudo por acreditarem ambos que têm razão”, diz Gaiarsa.

Para ele, o rancor matrimonial, acima de tudo amarra, pega você de qualquer jeito, te imobiliza, como se você tivesse caído numa teia de aranha.

“Quanto mais você se mexe, mais se amargura e raiva sente. Raiva — que faz brigar; mágoa — que faz chorar. A mistura das duas é o rancor, um ficar balançando muito e muito tempo entre o homicídio e o suicídio. E cometendo ambos ao mesmo tempo”, conclui.

O prejuízo das brigas para a saúde

Uma pesquisa mostrou que esses altos e baixos nos casamentos podem oferecer risco à saúde. 23% dos casais entrevistados disseram que tinham pouca negatividade no casamento e que existia apoio mútuo na relação. 
Os outros 77% responderam que os casamentos ficavam no meio termo, alternando sentimentos bons e ruins.
Numa experiência, esses casais tiveram pressão arterial mais alta do que os outros. (Fonte: Annals of Behavioral Medicine)

A importância da privacidade

Uma questão importante, mas pouco discutida é a privacidade. Há casais que consideram fundamental um contar tudo para o outro, dizem que não podem omitir nada do parceiro, que a sinceridade deve ser total.

A terapeuta de casais belga Esther Perel acredita que isso não garante uma intimidade profunda. Pelo contrário, o excesso de revelações de pensamentos e sentimentos pode ter um efeito negativo.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Perigosa atração

Na História encontramos muitos exemplos de mulheres fatais. A primeira e a mais competente de que se tem notícia parece ter sido mesmo Eva. Ao tentar Adão, teria provocado a desgraça, não só para …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Por que há mulheres que suportam a violência doméstica?

Não há necessidade do uso da força para subjugar o outro; meios sutis, repetitivos, velados, ambíguos podem ser empregados com igual eficácia. Atos ou palavras desse tipo são muitas vezes mais …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O corpo

O corpo O culto do corpo da Antiguidade (4000 a.C. a 476 d.C) cede lugar, na Idade Média (séculos V ao XV), a uma derrocada do corpo na vida social. Para gregos e romanos, o nu masculino era …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O amor em cada época se apresenta de uma forma

É comum se pensar no amor como se ele nunca mudasse. Mas a forma que amamos é construída socialmente, e em cada época e lugar se apresenta de um jeito. Crenças, valores e expectativas determinam a …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Medo de amar

Os romanos desenvolveram a ideia de prudência, de lutar contra o amor, visando evitar o sofrimento do amor. Para o poeta-filósofo Lucrecio, o amor sexual apaixonado devia ser cuidadosamente evitado: …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Conhece alguém que nunca viveu uma grande paixão?

Você conhece alguém que nunca se apaixonou? É raro. Nós todos aprendemos, desde cedo, a desejar viver uma paixão. Mas é um sentimento tão forte e invasivo, que pode levar a pessoa a ignorar suas …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Obcecados pelo amor

Nunca houve na História um período em que tanta gente considerasse o amor tão importante, nem pensasse tanto em amor, nem usasse tantas palavras para expressá-lo, como no século XX. As pessoas estão …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Os segredos do sexo

Um manual escrito em 1720, com “os segredos do sexo”, banido na época, foi a leilão no Reino Unido. O autor, desconhecido, usava o pseudônimo de Aristóteles e oferecia várias recomendações aos …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O aprendizado no sexo

Desde que trabalhos de grande repercussão como os de Alfred Kinsey e Masters & Johnson foram publicados, na metade do século XX, o sexo passou a ser discutido cada vez mais abertamente. O …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O homem duro, viril a toda prova, felizmente, está saindo de cena

No tempo em que meninos, jovens e adultos ouviam com frequência “Seja homem!”, “Prove que você é homem!”, “Vem cá se você é homem!”, ou seja, sempre desafiados a provar sua masculinidade, surgiu o …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados