X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Veja quais senadores fizeram questão de registrar voto contra a PEC das Drogas


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira, 13, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que proíbe o porte e a posse de drogas em qualquer quantidade. O texto foi submetido a uma votação simbólica, mas quatro parlamentares fizeram questão de registrar votos contrários à proposta.

A contestação à PEC foi restrita a três senadores do PT e um do MDB, foram eles: Fabiano Contarato (PT-ES), Humberto Costa (PT-PE), Jaques Wagner (PT-BA) e Marcelo Castro (MDB-PI).

O texto é de autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) e é uma reação ao julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a descriminalização do porte de maconha para uso pessoal. A tendência é que a Corte considere inconstitucional a criminalização do uso pessoal do entorpecente e estabeleça uma quantidade que diferencie um usuário de um traficante. O placar no Supremo é de 5 votos a 3 para a extinção da punibilidade. O julgamento foi suspenso na semana passada após um pedido de vista do ministro Dias Toffoli.

Contrariando a descriminalização que pode ser definida pelo julgamento do STF, a PEC de Pacheco pontua que é crime tanto a posse como o porte de drogas - incluindo a maconha - em qualquer quantidade. O texto diz, porém, que os tratamentos dados pela Justiça a usuários e traficantes devem ser diferentes.

Durante a reunião do colegiado, Wagner não discursou sobre o mérito da PEC, mas disse que a proposta era uma "enganação" e que iria orientar a base governista para votar contra a medida.

"Vou orientar o que vier da orientação (do governo federal), provavelmente contra. É uma enganação", afirmou Wagner, que é o líder do governo no Senado.

Com a aprovação da PEC pela CCJ do Senado, a proposta vai seguir para a análise do plenário da Casa. Para passar pelo crivo dos senadores, é necessário que 49 dos 81 senadores votem a favor do texto, que seguirá para a Câmara dos Deputados.

PEC 'não inova em absolutamente nada', diz Contarato

Delegado com 27 anos de carreira, Contarato disse que a proposta "não enfrenta o problema" do tráfico de drogas. O senador disse também que a PEC "não inova em absolutamente nada".

"Se nós estivéssemos efetivamente preocupados em diferenciar o traficante, que eu repudio e tem que ser condenado, para aquela pessoa usando substância entorpecente, tudo bem. Mas é preciso que a população entenda que estamos colocando na Constituição que porte de substância entorpecente para uso próprio é crime. Não estamos inovando e enfrentando o problema", afirmou.

Senador disse que usuários recreativos de maconha 'não prejudicam a vida de ninguém'

Marcelo Castro questionou a postura dos senadores de aprovar a PEC como uma resposta ao julgamento do STF. Segundo o senador piauiense, a análise dos magistrados não configura em uma invasão de competência e sim uma análise provisória até que o Legislativo decida sobre o tema.

"Isso não é invasão de competência nenhuma. Não precisa ninguém ficar aqui abespinhado porque nós estamos perdendo as nossas competências. O que é que nós ganhamos em botar (a criminalização das drogas) na Constituição?", indagou.

Castro também afirmou que o usuário recreativo de maconha não está cometendo um crime pois o indivíduo está na sua "intimidade e privacidade". "Ele não está ofendendo a saúde pública, ele não está prejudicando a vida de ninguém. É um direito que ele tem? Bom, muitos juristas entendem que sim", declarou o senador piauiense.

Humberto Costa disse que emenda é um 'engessamento inaceitável'

Seguindo a mesma linha, Humberto Costa disse que a dependência química é um caso de saúde pública e não policial, e chamou a tentativa de impor a criminalização do uso de drogas na Constituição de "engessamento inaceitável". Segundo ele, a sociedade brasileira pode optar por uma nova regulação sobre o tema, o que seria dificultado com a emenda constitucional.

"Ter na Constituição algo que a ciência ou algo que a própria sociedade pode considerar inadequado, me parece uma forma de engessamento inaceitável", afirmou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: