X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Vale, BHP e Samarco dizem que negociações sobre Mariana continuam em andamento


As mineradoras Vale, BHP e Samarco disseram que as negociações com o poder público para encerrar as discussões judiciais sobre Mariana continuam em andamento. As empresas se reuniram com representantes da União e dos Estados de Minas Gerais e do Espírito Santo nesta sexta-feira, 05, em Belo Horizonte (MG).

A BHP Brasil disse que "segue comprometida em buscar coletivamente soluções que finalizem um processo de reparação justa e integral às pessoas e ao meio ambiente atingidos pelo rompimento da barragem do Fundão".

"Como uma das acionistas da Samarco, a BHP Brasil segue em negociações com autoridades públicas para buscar um acordo definitivo no Brasil, que respeite a Justiça e demais instituições brasileiras e garanta que nenhum recurso saia do país", falou em nota ao Broadcast.

Já a Samarco "confia que as partes chegarão a um consenso". Segundo a companhia, as negociações seguem em andamento "respeitando o termo de confidencialidade e envolvem diversas instituições de Justiça, poder público e representantes de entidades civis e sociedade".

A Vale, acionista da Samarco junto com a BHP, afirmou que "segue engajada" e que "busca, junto às autoridades envolvidas, estabelecer um acordo que garanta a reparação justa e integral às pessoas atingidas e ao meio ambiente".

"A empresa reitera que as tratativas sobre o tema ocorrem exclusivamente no âmbito do processo de mediação, de acordo com e em observância aos princípios norteadores desse tipo de método de solução de conflitos, sob a liderança do desembargador responsável pela condução do procedimento", disse a empresa.

Conforme apurou o Estadão/Broadcast mais cedo, a nova reunião entre mineradoras e o poder público terminou sem consenso. Havia expectativa de que as partes saíssem de lá com um acordo, tendo em vista que os valores oferecidos pelas empresas na última proposta se aproximavam do pleiteado pela União e pelos Estados afetados.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: