X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Vai ter greve do Metrô? Veja como está a negociação da categoria


O Sindicato dos Metroviários e Metroviárias de São Paulo apresentou à categoria nesta quarta-feira, 5, proposta salarial feita pelo Metrô e os trabalhadores terão 24 horas para decidir se aceitam ou não os valores. Em caso de recusa, existe a possibilidade de a categoria paralisar as atividades na próxima quarta-feira, dia 12 de junho.

Enquanto parte dos servidores, incluindo a maioria da diretoria do sindicato, entende que se deve aceitar o que vem sendo sugerido pelo Metrô e, com isso, encerrar a campanha salarial, outra parcela dos trabalhadores rejeita as propostas e defende que as negociações continuem com um indicativo de greve para a semana que vem. A decisão está marcada para ser anunciada às 19h desta quinta, 6.

A entidade estava em estado de greve e chegou a agendar uma paralisação para o último dia 22, mas recuou depois que a companhia, em carta enviada à entidade, se comprometeu a apresentar uma nova proposta aos servidores nesta quarta.

Dentro do que foi proposto pelo governo estadual, a categoria entendeu que o Metrô atendeu - alguns pontos de forma parcial - as demandas do sindicato, como pagamentos de estepes salariais (níveis salariais progressivos) que estavam atrasados, contratação de servidores já aprovados em concurso, pagamento de abono salarial de R$ 3 mil e a criação de grupo de apoio por parte do Metrô para amparar pais e responsáveis que têm filhos diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Contudo, uma das principais críticas foi a manutenção do reajuste do salário em 2,77% (inflação medida pelo IPC-Fipe), que já tinha sido recusada anteriormente pelos sindicalistas.

Após a leitura das proposições do Metrô, a presidente do sindicato, Camila Lisboa, defendeu que os metroviários aprovassem a proposta apresentada, apesar do protestos de colegas, que ainda desejavam manter a campanha salarial e estabelecer um indicativo de greve para o dia 12 de junho, com uma assembleia marcada para a terça, 11.

Se os metroviários votarem pelo fim das negociações e pelo não avanço da greve, as linhas 1-Azul, 2,-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata do Metrô vão operar normalmente.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: