X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

STF conclui pauta verde e manda governo criar plano contra queimadas na Amazônia e Pantanal


O Supremo Tribunal Federal deu 90 dias para que o governo Lula apresente um plano de prevenção e combate a incêndios no Pantanal e na Amazônia, com monitoramento, metas e estatísticas. A decisão atendeu pedidos do Sustentabilidade e do PT, que questionaram a política ambiental adotada no governo Jair Bolsonaro.

A união terá de elaborar um plano de recuperação da capacidade operacional do Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e ainda desenvolver um plano de ação com medidas concretas para processamento das informações prestadas ao Cadastro Ambiental Rural.

De outro lado, seguindo o voto do relator André Mendonça, a maioria do colegiado negou declarar o estado de coisas inconstitucional, com 'violação massiva de direitos fundamentais', na política de combate a incêndios e queimadas no Pantanal e na região amazônica.

Os ministros Edson Fachin e Luiz Fux e a ministra Cármen Lúcia divergiram, por considerarem que, mesmo com avanços no primeiro ano do governo Lula, a situação na política ambiental ainda se mostra inconstitucional.

Também por maioria, o STF negou regulamentar - conforme proposta de Mendonça - o Fundo Social, que é abastecido com recursos do pré-sal, com a destinação de parte do montante para a proteção do meio ambiente e redução das mudanças climáticas.

Nesse ponto, restou vencedor o posicionamento do ministro Flávio Dino, no sentido de que a fixação de prazos e percentuais está na área de atuação discricionária dos Poderes Executivo e Legislativo.

A decisão foi proferida na tarde desta quarta, 20, durante julgamento de uma das ações da chamada pauta verde - discussões sobre uma série de ações relacionadas à políticas de preservação do meio ambiente.

Na última quinta-feira, 14, a Corte já havia determinado que o governo federal tome providências para reduzir o desmatamento na Amazônia Legal para a taxa de 3.925 km anuais até 2027 e a zero até 2030.

O STF também determinou ao Congresso Nacional a abertura de crédito extraordinário ainda 2024, para assegurar a continuidade das ações governamentais, além vedar o bloqueio orçamentário de recursos dos programas de combate ao desmatamento.

Na ocasião, a maioria do Supremo teve um entendimento semelhante ao fixado nesta quarta, 20, no sentido de negar pedido de reconhecimento de violação massiva de direitos fundamentais na política ambiental brasileira.

A avaliação foi a de que, 'ainda não esteja concluído, está em curso, desde o ano passado, um processo de retomada pelo Estado brasileiro do efetivo exercício de seu dever constitucional de proteção do bioma amazônico'.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: