X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

SP vê queda de roubos, mas latrocínios crescem no 1º trimestre


O Estado de São Paulo registrou queda de 14,5% nos roubos no 1º trimestre deste ano, segundo dados divulgados nesta quinta-feira, 25, pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). Foram 51.999 casos notificados de janeiro a março - o menor patamar da série histórica para o período -, ante 60.805 no mesmo recorte do ano passado. Homicídios, furtos e estupros também caíram.

Por outro lado, houve aumento de latrocínios, que são os roubos seguidos de morte. Foram 37 vítimas desse tipo de crime no Estado no primeiro trimestre do ano passado. No mesmo período de 2024, foram 46, uma alta de 24,3%.

Na capital paulista, foram 18 vítimas de latrocínio entre janeiro e março, ante sete no mesmo período de 2023. Em nota publicada no site, a Secretaria da Segurança Pública afirmou ter evitado quase 10 mil roubos e furtos somente em março no Estado. Procurada pela reportagem, ainda não se manifestou sobre a alta de latrocínios.

Em um dos casos de latrocínio registrados no começo deste ano, como mostrou o Estadão, um turista holandês de 58 anos morreu após sofrer assalto na região da Rua 25 de Março, no centro de São Paulo, e bater a cabeça.

O caso ocorreu no dia 27 de janeiro. A vítima, identificada como Hessel Hoeskra, chegou a ficar 12 dias internada no Hospital 9 de Julho, também no centro, mas não resistiu aos ferimentos.

Em outro caso, desta vez na Vila Olímpia, zona sul paulistana, uma guarda-civil municipal de Praia Grande, no litoral, foi morta com um tiro na cabeça após assalto no último dia 3 de março. A vítima, Valcleide Queiroz, de 56 anos, estava parada de motocicleta em um semáforo quando foi abordada por dois homens também em uma moto.

Apesar da queda de crimes patrimoniais, um dos principais desafios da gestão Tarcísio de Freitas (Republicanos) é melhorar a sensação de insegurança da população, assustada com frequentes relatos de assaltos - incluindo em bairros nobres da capital, como Morumbi e Itaim Bibi - e a onda de ladrões de celulares, que agem sob diversas estratégias, como gangues de bicicletas e as que quebram vidros de carros para levar aparelhos.

Estado de São Paulo

Homicídios (-8,8%): de 752, no primeiro trimestre de 2023, para 686, no mesmo período deste ano

Roubos (-14,5%): de 60,8 mil para 51,9 mil

Furtos (-4,1%): de 143,3 mil para 137,3 mil

Estupros (-6,8%): de 3,6 mil para 3,4 mil

Latrocínios (24,3%): de 37 para 46

Capital paulista

Homicídios (-1,6%): de 124, no primeiro trimestre de 2023, para 122, no mesmo período deste ano

Roubos (-15,5%): de 35,9 mil para 30,3 mil

Furtos (-3,7%): de 61,4 mil para 59 mil

Estupros (-10,6%): de 790 para 706

Latrocínios (157,1%): de 7 para 18

Secretaria fala de queda de crimes patrimoniais e assassinatos

Em nota publicada em seu site oficial, a Secretaria da Segurança Pública afirmou que "o trabalho integrado entre as Polícias Civil e Militar evitou quase 10 mil furtos e roubos em geral durante março no Estado de São Paulo". "O número reforça o compromisso da pasta no combate aos crimes patrimoniais, que em fevereiro registrou o menor índice de roubos da história para o mês", afirmou.

A pasta destacou ainda que a redução nos índices se estende aos roubos de veículos, que caíram 27,6%. Foram 2.599 registros desse tipo de crime em março deste ano, o que representa o segundo menor número de delitos desde 2001 no período. No mesmo mês do ano passado, foram 3.592 casos.

Ainda segundo a secretaria, os homicídios dolosos atingiram a menor marca da história para março. O número oscilou negativamente 6,6% no mês passado, caindo de 243 para 227 registros. "Os estupros tiveram 1.210 casos no mês, 174 a menos em relação ao mesmo mês do ano anterior, queda de 12,6%", acrescentou a pasta.

Procurada para comentar a alta de latrocínios no primeiro trimestre, a pasta da Segurança Pública não retornou até a última atualização desta reportagem.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: