X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Senado aprova, em votação simbólica, projeto de decreto legislativo de apoio ao RS

Proposta permite que os gastos com o socorro ao Estado fiquem fora da meta fiscal


Imagem ilustrativa da imagem Senado aprova, em votação simbólica, projeto de decreto legislativo de apoio ao RS
Projeto de decreto legislativo reconhece o estado de calamidade pública no Rio Grande do Sul |  Foto: Ricardo Stuckert / PR

O Senado aprovou nesta terça-feira, 7, em votação simbólica, o projeto de decreto legislativo que reconhece o estado de calamidade pública no Rio Grande do Sul e permite que os gastos com o socorro ao Estado fiquem fora da meta fiscal.

Com a aprovação do texto nas duas Casas, o projeto agora será promulgado pelo Congresso Nacional, já que a proposta não depende de sanção presidencial. A partir de então, o governo estará liberado a liberar créditos extraordinários para auxiliar o Estado sem contabilizar essa despesa no teto e nem seguir regras de contenção dos gastos públicos.

O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), disse, mais cedo, que o Palácio do Planalto pode publicar já nesta quarta-feira, 8, a medida provisória com a liberação do dinheiro para o Rio Grande do Sul. A estimativa total do valor que será repassado ao Estado ainda não foi divulgada pelo governo, que diz que aguarda esse cálculo por parte dos entes afetados.

O projeto de decreto legislativo foi aprovado pela Câmara dos Deputados na noite de segunda-feira, 6, no mesmo dia em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva encaminhou a proposta ao Congresso.

O objetivo do Planalto, com a proposta, foi conter o ímpeto crescente por uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que aplicasse as regras do "orçamento de guerra" à situação de calamidade vivida pelo Rio Grande do Sul. Seria uma forma de ampliar de forma descontrolada os gastos públicos, no entendimento de alguns integrantes do governo. O decreto legislativo seria uma ferramenta menos burocrática e mais simples de resolver o problema, entendeu o Palácio do Planalto.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: