X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Repelente contra insetos pode ser definido como bem essencial; proposta tramita na Câmara


A Câmara dos Deputados analisa um projeto de lei que quer a classificação do repelente contra insetos como bem essencial e indispensável, impedindo que Estados e municípios aumentem impostos sobre o produto. A proposta tem como principal motivador o surto de dengue no país, que nas 11 primeiras semanas de 2024 atingiu a marca de 2 milhões de casos prováveis.

Nesta terça-feira, 26, o texto começou a tramitar na Comissão de Saúde da Casa. O projeto, do deputado Zé Vitor (PL-MG), afirma que o Brasil está passando por um momento "delicado" e "precisa de ações efetivas para que seja possível evitar que vidas sejam perdidas". Ele afirma ainda que "o alto preço inviabiliza que pessoas de baixa renda possam adquirir o repelente para a sua autoproteção".

O texto prevê alteração no Código Tributário Nacional e na lei que regulamenta o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), para garantir que os preços do produto sejam reduzidos, e, assim, a população possa "evitar a picada do mosquito infectado".

A justificativa se baseia em dados do Ministério da Saúde que mostram que os casos de dengue no Brasil em 2024 podem chegar a 4,2 milhões, "quase o triplo do que foi registrado ano passado, cerca de 1,6 milhão". Zé Vitor ainda diz que o controle do mosquito Aedes aegypti "é complexo e envolve uma série de ações para que seja possível eliminar os criadouros".

O projeto de lei será analisado também pelas comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, passa para a votação no plenário e, se aprovado, segue para o Senado.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: