X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Proposta de atendimento prioritário no SUS a mulher que sofrer aborto avança na Câmara


A Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei (PL) que garante prioridade de atendimento psicológico e social no Sistema Único de Saúde (SUS) a mulheres que sofrerem aborto ou perderem o filho logo após o parto.

Discutida na última quarta-feira, 12, o projeto segue em caráter conclusivo para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Casa. Se aprovado, o texto seguirá para o Senado.

A relatora, deputada Chris Tonietto (PL-RJ) concorda com o projeto de autoria do deputado Fábio Faria (PSD-RN). Ela propões ajustes, unindo à principal as propostas 3.649/19, 1.372/20, 5.041/20, 4.899/20, e 5.576/20.

O PL altera a Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990, "dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências" e a Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, e "dispõe sobre os registros públicos, e dá outras providências".

Com as mudanças, além do atendimento psicológico e social à mulher que perder o filho durante a gestação ou após o parto, serão incluídos à Lei 8.080 os direitos de se despedir do bebê "neomorto ou natimorto"; o prontuário e histórico recente da paciente será mantido "com o objetivo de se evitar questionamentos, respeitando o luto e promovendo a superação"; a Unidade Básica de Saúde (UBS) e a Unidade da Saúde da Família (USF) serão comunicadas a fim de "evitar a continuidade do pré-natal, a confecção do cartão da criança, a cobrança do teste do pezinho e vacinas" e possibilitar a "destinação às perdas fetais de forma condizente com a dignidade da pessoa humana, sendo admitida a cremação ou incineração do feto".

À Lei 6.015 será incluído apenas um artigo. "No caso de ter a criança nascido morta será o registro feito no livro "C Auxiliar", com os elementos que couberem, inclusive nome e prenome, por livre opção do declarante".

Segundo Fábio Faria, "aproximadamente um quinto das gestações resultam em abortos espontâneos, um evento que frequentemente desencadeia graves consequências, como estresse pós-traumático, depressão". A relatora concorda com o apresentado, para ela essas perdas são vividas com tristeza, angústia e "frequentemente acompanhados de sentimentos de culpa e vulnerabilidade".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: