X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Promotoria denuncia Jair Renan por falsidade ideológica e uso de documento falso

Enviada à Justiça do Distrito Federal, a denúncia inclui outras cinco pessoas



Imagem ilustrativa da imagem Promotoria denuncia Jair Renan por falsidade ideológica e uso de documento falso
Renan Bolsonaro é filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) |  Foto: Reprodução/Instagram

O MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) denunciou Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), pelos crimes de falsidade ideológica e uso de documento falso para a obtenção de empréstimos bancários em nome de uma empresa de eventos.

Enviada à Justiça do Distrito Federal, a denúncia inclui outras cinco pessoas, incluindo Maciel Alves de Carvalho, ex-empresário e ex-professor de tiro do filho 04 de Bolsonaro.

O escritório que defende Renan enviou nota à reportagem em que criticou o vazamento de informações do inquérito, que tramita sob sigilo. A informação foi divulgada inicialmente pelo jornal o Globo e confirmada pela Folha de S.Paulo.

"Todas as informações sobre a nossa atuação vocês saberão com o acesso que parece terem aos autos", afirmou a banca comandada pelo advogado Admar Gonzaga.

"Esses vazamentos indevidos têm causado o chamado strepitus fori [exposição do investigado], muito prejudicial à defesa, ao devido processo, à presunção de inocência e, assim, à imagem de quem tem o direito de se defender. A sociedade perde o status de legalidade e humanidade com essa situação. Precisamos evoluir."

De acordo com a acusação dos promotores de Justiça, números falsos que apontavam para um faturamento no valor de R$ 4,6 milhões no período de um ano, de 2021 a 2022 foram apresentados a instituições bancárias para a formalização dos empréstimos.

Foram, ao todo, segundo os investigadores, três operações realizadas pela empresa de Renan, a RB Eventos e Mídia. O primeiro foi de cerca de R$ 157 mil, o segundo de R$ 250 mil e o terceiro de R$ 291 mil.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: