X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Polícia prende 9 do grupo de Zinho, apontado como o 'maior miliciano do Rio'


Policiais prenderam nove suspeitos apontados como milicianos nesta quinta-feira, 7, na Avenida Brasil, zona oeste do Rio. Houve confronto e seis ficaram feridos. As prisões foram fruto de ação integrada e de inteligência entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Civil, por meio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco), e a Polícia Militar. A defesa não foi localizada.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações apontaram que o grupo integra a organização criminosa de Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, preso no final do ano passado. Ele era considerado pelas autoridades o líder miliciano mais procurado do Estado do Rio de Janeiro, e estava foragido desde 2018. O miliciano foi transferido para um presídio federal em fevereiro.

Zinho ficou conhecido por dominar a zona oeste da capital fluminense, lucrando em cima de prestação de serviços clandestinos e ilegais, como a venda irregular de sinais de TV a cabo, licenças para serviços de transporte, venda de gás e cobrança de taxas de segurança dos pequenos comerciantes.

A Polícia Civil informava que os nove eram monitorados há meses e foram interceptados em quatro carros. Com os milicianos, os agentes apreenderam fuzis e coletes balísticos.

Durante a ação, houve confronto: seis milicianos ficaram feridos e foram encaminhados à unidade hospitalar. De acordo com o G1, tratou-se de tiroteio. A Polícia Civil não confirmou essa informação, e a Polícia Rodoviária Federal não respondeu às perguntas do Estadão.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: