X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

PL antiaborto é 'altamente desrespeitoso e desumano com mulher', diz Marina Silva

Ministra é contra estuprador ter uma pena menor do que a mulher que foi estuprada


Imagem ilustrativa da imagem PL antiaborto é 'altamente desrespeitoso e desumano com mulher', diz Marina Silva
Marina, assim como os parlamentares fiadores da proposta que restringe o aborto legal no Brasil, é evangélica. |  Foto: Agência Brasil/ Marcelo Camargo

A ministra Marina Silva (Meio Ambiente) disse nesta sexta-feira (14) que a proposta antiaborto que tramita na Câmara dos Deputados é "altamente desrespeitosa e desumana com mulheres".

Marina, assim como os parlamentares fiadores da proposta que restringe o aborto legal no Brasil, é evangélica.

"Acho que é a instrumentalização de um tema que é complexo, muito delicado na sociedade brasileira. Eu, pessoalmente, sou contra o aborto, mas eu acho que é uma atitude altamente desrespeitosa e desumana com as mulheres achar que o estuprador deve ter uma pena menor do que a mulher que foi estuprada e que não teve condição de ter acesso de forma, dentro do tempo, para fazer uso da lei que lhe assegura o direito ao aborto legal", disse a ministra.

O projeto equipara o aborto após 22 semanas de gestação à de homicídio simples. Na quarta-feira (12), os deputados aprovaram em votação-relâmpago um requerimento de urgência de projeto que altera o Código Penal para aumentar a pena imposta àquelas que fizerem abortos quando há "viabilidade fetal", presumida após 22 semanas de gestação.

O PL é de autoria de Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), deputado da bancada evangélica e pastor próximo a Silas Malafaia. 

A ministra do Meio Ambiente não foi a única que se manifestou contra a proposta. Também nesta sexta-feira (14), em Minas Gerais, o ministro da articulação política, Alexandre Padilha, classificou o projeto de lei como "barbaridade" e disse que o governo não apoiará.

"O presidente Lula, ao longo da sua história, até atendendo a solicitações de lideranças religiosas, sempre disse que nunca ia fazer nada para mudar a legislação atual do aborto no país. Nunca faria nenhum gesto, nenhuma ação para mudar a legislação de interrupção da gravidez no país. E nós continuamos com essa mesma postura", disse.

"Não contem com o governo para mudar a legislação de aborto do país, ainda mais para um projeto que estabelece que uma mulher estuprada vai ter uma pena duas vezes mais do que o estuprador. Não contem com o governo para essa barbaridade", completou.

Esta foi a primeira declaração oficial de posicionamento do Planalto sobre a medida. Conforme o apurado, o governo teme que a posição contrária e uma consequente nova derrota em um tema considerado sensível acabe desgastando a imagem do governo perante a opinião pública e no próprio Congresso Nacional, afetando o apoio para os temas prioritários.

Ao mesmo tempo, aliados apontam que Lula nunca fugiu ao debate relacionado com o tema aborto, mesmo em períodos eleitorais.

Um auxiliar do petista ressalta o chamado "fator Janja", considerando que a primeira-dama tem uma forte posição em temas ligados às mulheres e muita influência sobre o petista.

Janja se manifestou, nas redes sociais, sobre o tema. Ela disse que o projeto de lei é "absurdo" e "ataca a dignidade das mulheres e meninas" do país.

Além dela, Cida Gonçalves (Mulheres) disse ao Painel que o projeto agrava casos de gravidez infantil.

Nas últimas semanas, o governo sofreu uma série de reveses em votações no Congresso, desde a sessão que analisou vetos presidenciais do petista até a devolução da medida provisória que restringia o uso de créditos tributários por parte de empresas.

Enquanto ministros e aliados criticam a proposta e a militância ocupa o debate público contra a proposta, Lula evitou se posicionar.

Na Suíça, após discursar na sede das Nações Unidas, o presidente disse que precisa "tomar pé da situação".

"Você acha que é justo? Acabei de sair de uma palestra, [ter que] falar de uma coisa que está sendo discutida na Câmara. Deixa eu voltar para o Brasil, tomar pé da situação, aí você me pergunta", afirmou.

Veja quem são os deputados que votaram a favor do PL do aborto?

Sóstenes Cavalcante - PL/RJ

Evair Vieira de Melo - PP/ES

Delegado Paulo Bilynskyj - PL/SP

Gilvan da Federal - PL/ES

Filipe Martins - PL/TO

Dr. Luiz Ovando - PP/MS

Bibo Nunes - PL/RS

Mario Frias - PL/SP

Delegado Palumbo - MDB/SP

Ely Santos - REPUBLIC/SP

Simone Marquetto - MDB/SP

Cristiane Lopes - UNIÃO/RO

Renilce Nicodemos - MDB/PA

Abilio Brunini - PL/MT

Franciane Bayer - REPUBLIC/RS

Carla Zambelli - PL/SP

Dr. Frederico - PRD/MG

Greyce Elias - AVANTE/MG

Delegado Ramagem - PL/RJ

Bia Kicis - PL/DF

Dayany Bittencourt - UNIÃO/CE

Lêda Borges - PSDB/GO

Junio Amaral - PL/MG

Coronel Fernanda - PL/MT

Pastor Eurico - PL/PE

Capitão Alden - PL/BA

Cezinha de Madureira - PSD/SP

Eduardo Bolsonaro - PL/SP

Pezenti - MDB/SC

Julia Zanatta - PL/SC

Nikolas Ferreira - PL/MG

Eli Borges - PL/TO

Fred Linhares - REPUBLIC/DF

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: