X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Pai que confessou ter matado a filha e escondido corpo em asfalto é morto

Não foram dados detalhes sobre o motivo do crime ocorrido dentro do presídio



Imagem ilustrativa da imagem Pai que confessou ter matado a filha e escondido corpo em asfalto é morto
Corpo da vítima foi escondido em buraco no asfalto |  Foto: Reprodução/Primeiro Impacto

O homem de 39 anos que confessou ter matado a própria filha de 18 anos e esconder o corpo da vítima em um buraco em uma via do centro de São Paulo morreu após ser asfixiado por outro detento, de 38, na noite da última terça-feira, 2, no Centro de Detenção Provisória (CDP) II de Pinheiros, zona oeste da capital paulista.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP), Wellington da Silva Rosas foi levado ao pronto-socorro da Lapa, na mesma região, mas não resistiu. "A autoridade policial representou pela conversão da prisão em flagrante em preventiva ao Judiciário", disse a pasta. Ele estava detido no CDP há uma semana.

O caso foi registrado como homicídio pelo 91º Distrito Policial (Ceasa), onde segue em investigação. Não foram dados detalhes sobre o motivo do crime ocorrido dentro do presídio.

Entenda o caso

Silva Rosas confessou que cometeu o crime depois de se desentender com a jovem e esganá-la até a morte, segundo a polícia. O caso aconteceu no dia 24 de março, na casa do pai da menina.

De acordo com a polícia, o suspeito contou em depoimento que ele e a filha, Rayssa Santos da Silva, teriam começado uma briga após o homem entender que a jovem estava incentivando a mãe, separada de Wellington, a namorar outras pessoas. Segundo as investigações, o homem não aceitava a separação, que teria acontecido há menos de um ano.

Ele também teria confessado que foi ao trabalho no dia seguinte, 25 de março, e manteve o corpo da filha no seu apartamento, na Rua Santo Amaro, na Bela Vista, centro da capital paulista, até o período da noite. Por volta das 20h do mesmo dia, ele disse ter colocado o corpo da filha em uma caixa de papelão e transportado o cadáver com o auxílio de um carrinho até a alça que dá acesso à Avenida 23 de Maio.

O corpo foi encontrado na manhã do dia 26 de março. O cadáver estava carbonizado e a suspeita é de que o pai de Rayssa teria ateado fogo no corpo da filha ou pagado para um homem em situação de rua fazer o serviço.

O pai da jovem foi autuado em flagrante pela destruição de cadáver, e a Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) instaurou um inquérito e pediu à Justiça a prisão preventiva do suspeito pelo homicídio triplamente qualificado - por asfixia, por ser cometido por um meio em que a vítima não pode se defender e por feminicídio. 

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: