X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Noivos que casaram à luz de velas após 14 horas sem energia serão indenizados

Em 15 de dezembro de 2018, uma interrupção no fornecimento de energia deixou o espaço do evento sem energia por 14 horas


Imagem ilustrativa da imagem Noivos que casaram à luz de velas após 14 horas sem energia serão indenizados
Vela: casal vai ser indenizado |  Foto: Freepik

Um casal vai receber R$ 25 mil de indenização da Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) após ficar sem energia elétrica durante a cerimônia e festa de casamento.

Em 15 de dezembro de 2018, uma interrupção no fornecimento de energia deixou o espaço do evento sem energia por 14 horas.

Leia mais notícias Nacionais aqui

O casamento foi realizado à luz de velas na cidade de Vitor Meirelles, no Alto Vale do Itajaí. Em sua decisão, o desembargador José Agenor de Aragão considerou a conduta da Celesc "omissa".

No recurso de apelação, a concessionária alegou que uma árvore de grande porte caiu sobre a fiação durante a noite, o que "dificultou ainda mais a solução do problema pela equipe de eletricistas".

Segundo a Celesc, a queda da árvore estaria relacionada a condições climáticas adversas e não seria de sua responsabilidade.

A 4ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina fixou a indenização em R$ 25.095,00 por danos morais e materiais.

"Há de se concluir que os danos materiais sofridos pelo consumidor advindos da queda abrupta de energia elétrica estão diretamente relacionados à conduta omissiva da concessionária, a qual possui a obrigação legal de fornecer eletricidade de maneira adequada, eficaz e contínua, atentando-se, ainda, a eventuais fatores internos e externos de forma a evitar quaisquer interferências ou falha no seu fornecimento", disse o Desembargador José Agenor de Aragão.

"Inexiste qualquer excludente de responsabilidade. Pelo contrário, o acervo probatório corrobora a narrativa inicial, consistente na falta de energia elétrica durante todo o período de realização do casamento dos Requerentes (cerimônia religiosa e festa), frustrando a expectativa do festejo de um dia muito importante para os nubentes", disse o Desembargador.

Leia mais 

Prédio que já sediou a rádio Tupi desaba em São Cristóvão, no RJ

Polícia do RJ apura furto de equipamentos contratados pela Petrobras

Boate Kiss: STJ vai julgar em junho recurso contra anulação de júri

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: