X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Nave registra imagem detalhada da coroa solar, que chega a 1 milhão de graus


Uma vídeo registrado por uma nave espacial da Agência Espacial Europeia (ESA) exibe com detalhes as mudanças na paisagem do Sol. O equipamento filmou a transição da atmosfera mais próxima da superfície do astro até a camada mais externa, a coroa solar, centenas de vezes mais quente.

O registro ocorreu em 27 de setembro de 2023, quando o equipamento Imager Extreme Ultraviolence (EUI), abordo da nave Solar Orbiter, estava a um terço da distância entre a Terra e o Sol. Alguns dias depois, em 7 de outubro, a nave chegou ainda mais perto do astro, a 43 milhões de quilômetros de distância.

No vídeo, as regiões mais quentes chegam a medir um milhão graus Celsius. O material mais frio escurece à medida em que absorve radiação.

O vídeo mostra o "musgo" da coroa solar (do inglês, corona moss), que costuma aparecer ao redor da base de grandes laços da coroa, que estão muito quentes ou tênues para serem vistos com as configurações escolhidas para o instrumento.

As espículas (do inglês, spicules), exibidas logo após o musgo, são como agulhas de gás que alcançam uma altura de 10 mil km.

Por volta do segundo 22 do vídeo, é possível ver uma erupção de material frio no centro da imagem. Apesar da erupção parecer pequena em proporção ao Sol, na verdade ela é maior do que a Terra.

Depois disso, a chuva na coroa solar, com temperatura "fria" menor do que 10 mil ºC, aparece escura contra o fundo brilhante dos laços da coroa. O fenômeno é feito de aglomerados de plasma de alta densidade, que voltam a cair de novo no Sol sob a influência da gravidade.

confira aqui

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: