X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

MPF dá 5 dias para CFM explicar norma que proíbe ato pré-aborto após 22 semanas de gestação


O Ministério Público Federal (MPF) deu cinco dias para o Conselho Federal de Medicina (CFM) demonstrar os fundamentos técnicos e legais usados para elaborar a nova resolução do órgão que proíbe os médicos de realizarem um procedimento médico que precede o aborto nos casos de gestações com mais de 22 semanas provenientes de estupro.

A norma determina que, a partir dessa idade gestacional, os profissionais ficam impedidos de fazer a chamada assistolia fetal, que consiste na injeção de uma substância que provoca a morte do feto para que depois ele seja retirado do útero da mulher. O procedimento é respaldado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a partir de 20 semanas de gestação.

Em comunicado publicado nesta quinta-feira, 4, o MPF justificou que, ao proibir esse procedimento, o CFM aumenta as chances da ocorrência de um parto prematuro, o que "pode ser prejudicial e causar transtornos severos tanto para a mulher quanto para o bebê".

Ainda segundo o MPF, na prática, a resolução inviabiliza a realização do aborto em casos autorizados pela lei. De acordo com o órgão, a lei brasileira não fixa nenhum prazo de gravidez para que as mulheres solicitem o aborto nos casos em que ele é legal. "O direito ao aborto é garantido legalmente em qualquer estágio da gestação quando ela é resultante de violência sexual, assim como nos casos de anencefalia fetal e risco à vida da mulher", explica.

Apesar disso, em nota que expõe o motivo da resolução, o CFM argumenta que "havendo viabilidade fetal, deve ser assegurada a tecnologia médica disponível para tentar".

Além do MPF, outras entidades se manifestaram contrariamente à resolução. A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), por exemplo, emitiu uma nota oficial nesta sexta-feira, 5, solicitando a revogação da resolução, que, segundo a instituição, "estabelece restrições ilegais ao acesso ao aborto", "amplia vulnerabilidade já existentes e expõe justamente as mulheres mais carentes e necessitadas do apoio e assistência médica".

Rosires Pereira, presidente da Comissão Nacional Especializada de Violência Sexual e Interrupção da Gestadção Prevista em Lei da Febrasgo, disse ao Estadão nesta quinta-feira, 4, que a nova resolução dificulta o atendimento de meninas de 10, 11 e 12 anos que engravidaram após serem vítimas de estupro e que por diversas razões demoraram para conseguir o atendimento médico necessário.

O CFM foi procurado na tarde desta sexta-feira, 5, para comentar o pedido de esclarecimentos do MPF e as críticas feitas pela Procuradoria à norma, e afirmou que recebeu o ofício do MPF na tarde desta quinta e que encaminhará os esclarecimentos solicitados à Procuradoria "dentro dos prazos definidos".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: