X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Motoristas de ônibus de São Paulo anunciam greve para quarta-feira


Motoristas de ônibus de São Paulo decidiram, em assembleia realizada nesta sexta-feira, 28, paralisar as atividades da categoria na próxima quarta-feira, 3 de julho, a partir da meia-noite. O movimento é liderado pelo SindMotoristas, entidade que representa a categoria (motoristas, cobradores e demais funcionários do setor de manutenção e fiscalização).

De acordo com o sindicato, a greve foi aprovada de forma unânime na assembleia, que contou com mais de 15 mil funcionários, entre presentes na sede da entidade e trabalhadores que acompanharam a discussão de forma virtual. A paralisação foi aprovada para todo sistema do transporte de ônibus na capital, incluindo garagens e terminais.

A principal reivindicação da categoria é uma redução da jornada de trabalho para 6,5 horas trabalhadas com mais 30 minutos remunerados. "Este é o carro-chefe das demandas da categoria", disse a assessoria do SindMotoristas.

Na lista de demandas, também estão um reajuste salarial de 3,69% pelo IPCA-IBGE mais 5% de aumento real, cesta básica de qualidade; correção do Programa de Participação nos Resultados (PPR) de R$ 1.200 para R$ 2.000; e melhorias no vale-refeição, no seguro de vida, nos convênios médico e odontológico e revisão dos valores do auxílio funeral.

O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbanuss), entidade que representa parte das empresas responsáveis pelo serviço na capital, disse em nota que "está incrédulo com a decisão do Sindicato dos Motoristas" de fazer uma greve para a próxima quarta.

Isso porque, o sindicato da categoria patronal diz que está marcada, para a próxima terça-feira, 2, uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). "O Sindicato dos Motoristas está afrontando o TRT e o que o poderá ser decido na audiência. É um desrespeito à Justiça ou uma forma descabida de pressionar o TRT", disse o SPUrbanuss.

A Prefeitura de São Paulo foi procurada, mas ainda não retornou os questionamentos da reportagem.

No começo do mês, os motoristas, cobradores e demais funcionários do serviço de transporte de ônibus de São Paulo, agendaram uma grave, mas voltaram atrás após entrarem em um acordo com a com o sindicato da categoria patronal, o SPurbanuss, em audiência de conciliação na Justiça do Trabalho.

No lugar de não fazer a greve, as entidade aprovaram, naquela ocasião, a criação de um corpo técnico para fiscalizar os contratos firmados entre as concessionárias e a Prefeitura de São Paulo.

Após o acordo, os trabalhadores decidiram suspender o estado de greve até o dia 30 junho (próximo domingo). A data era considerada o prazo limite para os o Sindmotoristas e o SpUrbanuss entrarem em um acordo sobre as demandas dos funcionários.

Na última convocação de greve, a Prefeitura exigiu que a frota dos ônibus funcionasse com 100% dos veículos nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h) e com 80% nos demais períodos do dia. Representantes do SindMotoristas afirmaram, na época, que topavam colocar toda a frota para funcionar se a administração concordasse em conceder tarifa zero aos passageiros na sexta-feira

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: