X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Morte de 13 presos por suposta overdose de drogas K é investigada em MG

Entenda que droga é esse e os efeitos que ela causa no usuário


Imagem ilustrativa da imagem Morte de 13 presos por suposta overdose de drogas K é investigada em MG
Cela: morte de presos por suposta overdose de droga K é investigada |  Foto: Canva

A Polícia Civil de Minas Gerais investiga a morte de 13 detentos em dois presídios em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte. A suspeita é de que ao menos seis mortes estejam associadas a overdose por drogas K.

De acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, sete pessoas que cumpriam pena no presídio Inspetor José Martinho Drumond morreram nos últimos dez dias. Em nenhuma delas os presos apresentavam lesões aparentes, segundo a pasta.

Outros seis óbitos foram registrados no Presídio Antônio Dutra Ladeira, entre dezembro de 2023 e abril deste ano. As causas das mortes, supostamente por overdose de drogas K, ainda estão sob investigação do Departamento Penitenciário de Minas Gerais e da Polícia Civil, e a secretaria ainda aguarda laudos da perícia técnica.

As drogas K - por exemplo K2, K9 e spice, entre outros nomes - são substâncias sintéticas desenvolvidas em laboratório com alto potencial destrutivo e efeitos que podem ser imprevisíveis.

A venda de drogas K foi banida pela facção PCC (Primeiro Comando da Capital) nos locais sob seu controle onde há venda de entorpecentes. A intenção seria a de não prejudicar o tráfico de outras drogas, a principal fonte de renda da organização criminosa.

A decisão foi tomada após líderes do PCC perceberem que o uso exagerado de K2 e K9 pelos jovens conhecidos como "avião", que fazem o comércio nessas bocas de fumo, atraía a presença da polícia. Os reflexos da proibição já se refletem nas apreensões feitas em São Paulo, principal mercado da facção.

ENTENDA AS DROGAS K

O que são?

É a forma popular como ficaram conhecidos os canabinoides sintéticos, criados para estudos farmacológicos que buscavam entender o sistema endocanabinoide e o próprio mecanismo de ação no cérebro do THC, princípio psicoativo da maconha.

Do que são feitas?

No formato mais consumido, é dissolvido em acetona ou etanol e borrifado em ervas para imitar o aspecto de folhas secas de maconha. Além disso, várias outras substâncias, como conservantes e drogas ansiolíticas e estimulantes, podem estar presentes.

Por que não se trata de 'maconha sintética'?

A maconha é derivada da planta Cannabis sativa, que produz os fitocanabinoides, entre eles, o THC e o CBD (canabidiol). As drogas K são produzidas a partir de canabinoides sintéticos e atuam nos mesmos receptores que a substância psicoativa THC.

Quais os efeitos?

Usuários relatam estado de torpor imediato e muitos dizem "apagar" após o consumo. Os efeitos já observados no organismo são: psicose, paranoia, alucinação, alteração de humor com irritabilidade, agressividade, desorientação, ansiedade, ataques de pânico, tremores, espasmos musculares e convulsão, transpiração intensa, queimação nos olhos, perda de percepção de tempo, sedação, dor no peito, taquicardia, bradicardia, hipertensão, hiperventilação, dormência e formigamento, náuseas, vômitos, ressecamento da boca, entre outros.

A droga causa dependência?

Sim, as drogas K podem causar tolerância, sendo necessárias doses cada vez mais elevadas para obter o efeito psicoativo, e, com isso, há aumento de chances de desenvolvimento de dependência.

Fontes: Eric Barioni, biomédico, e Sociedade Brasileira de Toxicologia

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: