X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Moraes solta cúpula da PM no 8/1 e mantém presos militares do 2º escalão

Cinco coronéis que compunham o alto escalão da PM foram soltos nos últimos dois meses


Imagem ilustrativa da imagem Moraes solta cúpula da PM no 8/1 e mantém presos militares do 2º escalão
Ministro Alexandre de Moraes, do STF |  Foto: Antonio Augusto/SCO/STF

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), pôs em liberdade toda a cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal responsável pela segurança nos ataques às sedes dos Poderes, em 8 de janeiro de 2023.

Os cinco coronéis que compunham o alto escalão da PM foram soltos nos últimos dois meses. O último deles foi o coronel Jorge Eduardo Naime Barreto, ex-comandante do Departamento de Operações, que deixou o presídio na segunda-feira (13).

O cenário é diferente para os policiais militares do segundo escalão. Os dois presos por ordem de Moraes não tiveram os pedidos de soltura atendidos e continuam na Papuda.

É o caso do major Flávio Silvestre de Alencar e do tenente Rafael Pereira Martins — ambos chefes de pelotões e batalhões empregados no 8 de janeiro.

As solturas coincidem com o momento em que Moraes põe um freio na rigidez de decisões que envolvem o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus aliados nos inquéritos relacionados ao golpismo.

As primeiras decisões favoráveis aos PMs foram dadas em março. O ministro atendeu ao pedido de liberdade provisória dos coronéis Klepter Rosa Gonçalves (ex-comandante-geral), Fábio Augusto Vieira (ex-comandante-geral) e Marcelo Casimiro Vasconcelos (ex-chefe do 1º Comando de Policiamento Regional).

Eles são réus no Supremo acusados de terem sido omissos nos ataques golpistas. Os coronéis também respondem por tentativa de golpe de Estado e abolição violenta do Estado democrático de Direito, dano qualificado e deterioração de patrimônio tombado.

O coronel Paulo José Ferreira de Souza, ex-comandante interino do Departamento de Operações, foi solto em abril. Ele é acusado de ter tratado com deboche a informação de que os atos bolsonaristas seriam violentos; também responde por não ter planejado a contento a contenção dos invasores.

O tenente Rafael Pereira Martins era o responsável pelo comando do 1º pelotão da tropa de choque da PM —contingente que estava próximo ao STF e que, como mostram as imagens, abriu suas linhas e não enfrentou os golpistas.

Segundo a PGR (Procuradoria-Geral da República), os bolsonaristas radicais atacaram os policiais judiciais, que, em menor número, não conseguiram resistir à invasão.

"Nas cercanias, estava Rafael Pereira Martins no comando de efetivo suficiente para conter o avanço da turba. Sem prejuízo, permaneceram inertes — oficial e tropa sob seu comando", afirmou a denúncia.

O major Flávio Silvestre de Alencar foi preso duas vezes.

Na primeira, em fevereiro de 2023, foi detido por ter sido flagrado pelas câmeras de segurança da Câmara dos Deputados desfazendo a linha da tropa de choque que comandava nas dependências da Casa. Ele foi solto pouco tempo depois.

Em maio de 2023, porém, voltou a ser alvo da Polícia Federal, que encontrou uma mensagem enviada pelo PM em dezembro de 2022 em que dizia: "Na primeira manifestação, é só deixar invadir o Congresso".

Flávio afirma que não falava sobre a ameaça bolsonarista. Ele diz que comentava num grupo de PMs sobre o possível fim do fundo constitucional — dinheiro da União que é repassado para o Governo do Distrito Federal custear a PM e outros órgãos ligado a segurança, saúde e educação.

"Mandei mesmo, foi uma mensagem infeliz. Porém precisamos contextualizar os fatos. O grupo no qual fiz a postagem não era institucional, conversávamos sobre assuntos aleatórios", disse o PM à CPI do 8 de janeiro da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

O Supremo também mantém presos militares do Exército investigados por participações diversas no inquérito sobre o golpismo —diferentemente dos policiais, eles não ficam na Papuda e têm direito a permanecer em prisões dentro de quartéis.

São eles o coronel da reserva Marcelo Câmara, ex-assessor de Bolsonaro investigado por monitorar a localização de Alexandre de Moraes no fim de 2022 para uma eventual prisão; e o tenente-coronel Rafael Martins de Oliveira, que teria pedido R$ 100 mil a Mauro Cid para organizar a ida de bolsonaristas para manifestações contra a eleição de Lula (PT).

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: