X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Ministro de Minas e Energia defende exploração na Margem Equatorial e pede celeridade ao Ibama


O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, voltou a pedir celeridade no processo de licenciamento do Ibama à exploração de petróleo em águas profundas na Margem Equatorial, especificamente a perfuração do bloco FZA-M-59, a cerca de 500 km da foz do Rio Amazonas. O posicionamento foi feito em participação durante audiência na Comissão de Minas e Energia.

O coordenador-geral de mudanças do clima do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Thiago Longo, já disse que uma decisão do Ibama não deve acontecer antes da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2025 (COP30), marcada para novembro de 2025, em Belém.

"Nós temos de avançar e ter um diagnóstico (sobre a exploração na Margem Equatorial)", avaliou. "O petróleo ainda é uma fonte energética fundamental, no Brasil em especial", acrescentou.

O ministro também voltou a mencionar que a Petrobras "deve sempre" ser atrativa aos investidores nacionais e internacionais, assim como ter uma "governança independente e transparente".

Em outra fala pública, na semana passada, Silveira declarou que o governo tem "consciência" que recursos de investidores "dão fôlego" para a empresa e possibilitam investimentos defendidos pelo Executivo.

Na audiência da manhã desta quarta-feira, ele declarou que os brasileiros "já pagaram", por meio de subsídios embutidos na conta de luz, para o protagonismo do País na transição energética. Agora o esforço, segundo ele, seria "equalizar o máximo possível para ter uma tarifa justa no Brasil".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: