X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Mais de 40% das mulheres médicas já sofreram assédio moral, aponta pesquisa


Mais de 40% das médicas no Brasil dizem já ter sofrido assédio moral no exercício da profissão, como revela um estudo do Research Center, núcleo de pesquisa da Ayfa, maior grupo de educação e soluções para médicos no Brasil. Embora o número de médicas tenha quase dobrado no País na última década - chegando a 260 mil profissionais - os problemas persistem como relatam no estudo.

O assédio moral ocorre, segundo as profissionais, por parte dos pacientes e seus parentes, mas também por colegas e superiores no ambiente de trabalho. Em depoimentos anônimos, elas relataram casos que ilustram bem a realidade: "Numa roda de médicos, sendo eu a única mulher, ao colocar meu ponto de vista, fui ridicularizada e desdenhada por todos eles", contou uma das profissionais que participou do levantamento.

A desconfiança do diagnóstico vindo de uma mulher também é uma realidade para 36% das entrevistadas. "Faço visita como intensivista e sempre perguntam a que horas o doutor vai passar. Fiz ortopedia também, larguei por assédio moral", relatou uma médica.

O problema mais presente para 70% das entrevistadas é a dificuldade de conciliar a vida profissional com a pessoal. As médicas relatam que não há tempo para ser mãe, ou mesmo pensar em ter filhos, cumprindo as cargas horárias exigidas pela maioria dos hospitais.

O estudo de abrangência nacional envolveu 254 profissionais de saúde dos 20 aos 59 anos, a grande maioria (57%) médicas especialistas. Outras 32% são profissionais generalistas (ou seja, que ainda não concluíram uma especialização) e 11% estão fazendo a residência médica. Mais de um terço das mulheres que responderam à pesquisa (36%) são mães.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: