X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Justiça de SP concede liminar que suspende lei de 'naming rights'


A ação movida pelo PSOL de São Paulo que pedia a suspensão imediata da lei de "naming rights", sancionada na última quarta-feira, 13, pelo prefeito da capital Ricardo Nunes (MDB), foi acolhida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). A liminar foi concedida pelo desembargador de plantão Nuevo Campos.

A lei que foi suspensa permitia que escolas, hospitais, praças e outros equipamentos públicos fossem "rebatizados" mediante pagamento e o partido entrou com a ação direta de inconstitucionalidade no TJSP alegando que a Prefeitura está mercantilizando o espaço público, ao permitir a "venda" dos nomes. Ao Estadão, a Prefeitura de São Paulo informou que o município não foi comunicado da ação em referência.

O entendimento do desembargador que suspendeu a lei foi de que a matéria necessita de adequado processo licitatório, e considerou ainda a "complexidade do tema" e possíveis efeitos que podem decorrer da vigência da lei.

Três parlamentares do PSOL assinaram a ação: a deputada federal Luciene Cavalcante, o deputado estadual Carlos Giannazi e o vereador da Câmara municipal Celso Giannazi, todos de São Paulo.

Eles afirmam que a consequência da lei poderá ser um "irreversível prejuízo material" com a perda da identidade e da memória coletiva desses espaços. Os parlamentares citam ainda que a publicidade institucional deve ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, segundo as constituições federal e estadual.

Com a lei de "naming rights", empresas poderiam pagar para terem o nome de suas marcas ou produtos acrescentados ao nome original de estruturas públicas da cidade, como já acontece em estações do metrô de São Paulo e em estádios de futebol.

A lei, aprovada em outubro na Câmara Municipal e agora suspensa, ainda não tinha sido regulamentada para estabelecer os valores dos contratos.

O Allianz Parque, por exemplo, é um naming right do estádio do Palmeiras e foi vendido por R$ 300 milhões, em 2014. O clube recebe cerca de R$ 15 milhões por ano, com o contrato que se estende até 2034.

Nesta semana, o clube São Paulo encaminhou um acordo com a Mondelez, conglomerado multinacional de alimentos dono de marcas de chocolate como Bis, Sonho de Valsa e Oreo, pela venda de naming rights do estádio do Morumbi. A empresa vai pagar cerca de R$ 75 milhões ao São Paulo pelo acordo de três temporadas. O Morumbi passará a ser chamado de "Morumbis", em alusão à marca de chocolate.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: