X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Grande Porto Alegre terá enchente por ao menos mais 10 dias; área tem moradores ilhados


Um novo prognóstico realizado na segunda-feira, 6, pelos cientistas que anteciparam a cheia recorde do Lago Guaíba aponta que a enchente persistirá por ao menos mais 10 dias em Porto Alegre e mais cidades da região metropolitana do Rio Grande do Sul. Os pesquisadores alertam que a cheia recorde pode se estender por ainda mais tempo caso se confirme a previsão de chuva para o próximo fim de semana.

Há lentidão no escoamento do acumulado de água, com enchente principalmente em bairros das zonas central, norte e sul da capital, além das ilhas, onde muitos moradores seguem isolados e sem acesso a itens básicos há dias.

Equipes de resgate - voluntárias e do poder público - têm partido de diversas áreas da Grande Porto Alegre, mas as redes sociais seguem repletas de apelos por ajuda, com pessoas refugiadas em cima de telhados, viadutos e outros espaços. Em muitos casos, são usados barcos, jet skis e até geladeiras improvisadas como botes.

Na capital gaúcha, foi determinado o racionamento de água nesta segunda. Quatro das seis estações de tratamento não funcionam, enquanto as demais operam abaixo do normal. Cerca de 70% da cidade está sem o serviço. Há dificuldades no abastecimento de outros recursos essenciais, inclusive de insumos em hospitais.

Às 11h desta segunda, o Guaíba estava em 5,26 m na medição da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura do Rio Grande do Sul. O nível tem oscilado em alguns centímetros, com variação entre 5,25 m e 5,29 m ao longo da manhã. Esta é a maior enchente da história da cidade e do Estado.

A cheia duradoura e redução lenta das águas foi apontada por pesquisadores do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O nível deve seguir acima de 5 metros nos próximos dias e, ainda, permanecer superior a 4 metros até o fim da semana. A cota de inundação do Guaíba é de 3 metros, nível estimado apenas para a 2ª quinzena de maio.

Os pesquisadores têm destacado que o Guaíba está em estabilização no momento, mas não é descartada a possibilidade de que volte a subir. "As principais preocupações seguem sendo a duração dos níveis elevados e as possibilidades de repiques em função de novas chuvas ou efeito do vento", destacam.

Além da região metropolitana, precipitações na Serra e região central impactam na região, pela ligação de outros grandes rios com o Guaiba.

No prognóstico, os cientistas destacam que a previsão por enquanto não aponta chuva expressiva nas próximas 24 horas, exceto no sul do Estado - onde há alertas da Defesa Civil para inundação diante do escoamento das águas da Grande Porto Alegre para a Lagoa dos Patos, o que pode impactar ainda mais cidades como Pelotas e Rio Grande.

Como comparação, os pesquisadores destacam que o Guaíba levou 32 dias para ficar abaixo dos 3 metros depois da maior enchente de Porto Alegre (de 1941, com 4,76m). "Considerando os elevados níveis previstos e suas incertezas, por segurança, recomenda-se todas as ações de proteção de vidas e minimização dos prejuízos nas áreas já impactadas e nas potencialmente impactadas", salientam.

Além disso, os cientistas recomendaram ações imediatas para resolver o desabastecimento de água. O prognóstico foi desenvolvido com base em dados de chuva e vazão e modelos de previsão meteorológica, hidrológica e hidrodinâmica. É liderado pelos professores Fernando Fan e Rodrigo Paiva e pelo mestrando Matheus Sampaio, todos do IPH, em conjunto com a empresa RHAMA Analysis.

O grupo também desenvolveu um mapa das áreas mais vulneráveis à cheia, que pode ser visualizado abaixo. A ferramenta mostra o impacto das águas em diferentes áreas de Porto Alegre, praticamente toda a cidade de Eldorado do Sul e diversos outros municípios, como Cachoeirinha, Charqueadas e Novo Hamburgo.

O balanço mais recente da Defesa Civil aponta 850,4 mil afetados em 345 municípios. Na região metropolitana, municípios como Eldorado do Sul, Canoas e São Leopoldo estão em grande parte debaixo d'água.

Em Porto Alegre, ainda há moradores isolados em bairros como Humaitá e cerca de 70% da cidade está com o abastecimento de água prejudicado.

Veja abaixo respostas do professor Fernando Mainardi Fan, da UFRGS, sobre os motivos da enchente e a situação em Porto Alegre.

Por que o nível do Guaíba subiu tão rápido? E por que as cheias em outras áreas interferem nisso?

Porto Alegre está às margens do Guaíba e se desenvolveu em direção a ele, inclusive aterrando algumas partes. A localizaçã faz com que Porto Alegre esteja rio abaixo de muitas outras regiões e rios importantes (como o Taquari). Sempre que há uma grande chuva na região central ou noroeste do Rio Grande do Sul, essas águas descem e vão em direção ao Guaíba, elevando os níveis. Neste caso, aconteceram chuvas extremas na região central, o que fez com que os níveis se elevassem de forma muito acentuada no Guaiba.

As duas inundações do ano passado indicaram quais são os gargalos e medidas a serem tomadas?

As duas inundações do ano passado serviram como aprendizado, especialmente para a previsão de níveis de vazões e para a tomada de medidas de prevenção. Mas, como foram muito recentes, nem todas medidas e planos conseguiram ser implementados. Tivemos uma cheia em setembro, uma em novembro e, agora, de novo, em maio.

Porto Alegre está com pontos de refluxo de água pelos bueiros. É um ponto de atenção? Por que ocorre?

Quando se faz um sistema de diques de proteção, não deixamos a água entrar, mas essa água também não sai. Com isso, temos de fazer sistemas que bombeiam a água para fora. Esses sistemas podem falhar e há o refluxo de água pelos bueiros. É isso que está acontecendo: alguns pontos apresentam falhas, que precisam ser corrigidas emergencialmente, senão haverá uma inundação da cidade através desses pontos de falha.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: