X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

G20 Brasil: Silveira cobra cumprimento de acordo de U$ 100 bi/ano para transição energética


O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou que um dos pilares da condução do Grupo de Trabalho (GT) de Transições Energéticas do G20, coordenado por seu ministério, será a cobrança para que países desenvolvidos cumpram acordo que prevê US$ 100 bilhões por ano para transição energética. "Não teremos transição sem financiamento", afirmou.

Em 2009, durante a COP15 em Copenhague, na Dinamarca, os países ricos prometerem fornecer US$ 100 bilhões (aproximadamente R$ 515 bilhões) por ano em financiamento climático às nações pobres a partir de 2020. Os valores seriam geridos por uma governança global.

"Nem a governança foi criada nem os US$ 100 bilhões, na totalidade, chegam aos fundos climáticos", disse Silveira. Segundo o ministro, os repasses registrados atualmente são inferiores à metade do acordado. "Na condução do G20 eu cobrarei de forma muito rigorosa (o cumprimento do acordo)", disse a jornalistas.

As declarações foram dadas a jornalistas após a participação do ministro na abertura da primeira reunião presencial do GT de Transições Energéticas do G20. Os membros do GT debatem, neste momento, sobre o acesso ao financiamento da transição energética.

"A transição energética só vai trazer resultados concretos se feita de forma global. O carbono não tem fronteira, vivemos em único ecossistema", disse o ministro sobre a responsabilidade que, segundo ele, deve ser abraçada pelos países desenvolvidos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: