X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Enxame de abelhas deixa 30 feridos no interior de SP; idoso foi internado em UTI


Um enxame de abelhas deixou 30 pessoas feridas em Américo Brasiliense, cidade do interior de São Paulo, na sexta-feira, 5. Entre as vítimas, um idoso de 66 anos levou cerca de 50 picadas e chegou a ser internado em uma Unidade de Tratamento Intensiva (UTI). O acidente ocorreu na Rua Ribeiro de Barros, centro da cidade, onde as abelhas se concentravam no telhado de uma casa.

O Corpo de Bombeiros auxiliou no socorro às vítimas, que foram encaminhadas para atendimento médico e liberadas em seguida. A exceção foi o idoso, que teve quadro mais grave e segue internado.

"Ele já tem algumas comorbidades, como diabete e alguns outros problemas de saúde. Agora não corre risco e deve receber alta ainda nesta segunda-feira (8 de abril)", disse Valmir Lupe, coordenador da Defesa Civil Municipal que acompanha o caso.

Após o acidente, ruas no entorno da casa foram interditadas e moradores alertados pela Defesa Civil em um alto-falante. Durante a noite de sábado, 6, apicultores, bombeiros e a Defesa Civil realizaram a retirada dos insetos do local onde estavam concentrados. A operação aconteceu durante a noite com a intenção de evitar novas vítimas.

Lupe afirma que a principal hipótese é de que alguém tenha mexido com os insetos na sexta, resultando no acidente.

"Enxames são comuns, especialmente de abelhas nômades que estão em transição. Apesar disso, elas não atacam ninguém, elas se defendem. A partir de um tapinha, elas soltam o feromônio (substância química excretada por alguns animais) e é como se estivesse tocando uma corneta chamando as outras. Elas vêm em defesa", diz ele.

A orientação dada pelo órgão é para que a população evite locais onde percebam concentração dos insetos, alterando o percurso ou passando rapidamente protegendo, com capuz, por exemplo, a cabeça.

A Defesa Civil alerta ainda que, em hipótese nenhuma, a possibilidade de matar abelhas deve ser considerada, já que isso pode gerar um acidente maior.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: