X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Enfermeira que sumiu após contrair dívida por 'Jogo do Tigrinho' admite vício


A enfermeira Gabriely Sabino, de 23 anos, admitiu que desapareceu para fugir de dívidas que contraiu por conta do "Jogo do Tigrinho" e definiu como "vício" a sua relação com o caça-níquel online. Em entrevista ao SBT, ela disse que joga há cerca de dois anos e decidiu fugir por medo das dívidas que contraiu - como já mostrou o Estadão, o valor chegou a R$ 20 mil.

Formada em enfermagem desde o ano passado, a jovem mora com os pais em Piracicaba, no interior de São Paulo, e procurava emprego na área enquanto trabalhava em uma padaria. Ela conheceu o jogo por meio de influenciadores digitais.

"Você vê os influenciadores jogando, ganhando, e você quer ganhar também. E falam que eles não tinham nada, mas começam a ter uma qualidade de vida melhor. E você quer ter isso também para você. E aí comecei a jogar", disse Gabriely à emissora.

"É um vício. Quanto mais (dinheiro) você coloca (na plataforma do jogo), mais você quer pôr para ver se tem um retorno maior", afirmou. De acordo com a enfermeira, ela chegou a ganhar dinheiro algumas vezes na plataforma, o que a motivou a sempre tentar novos ganhos, mesmo quando perdia.

"Quando você vê, está perdendo, mas aí você quer pôr de volta. Vai virando uma bola de neve. Na hora que você se vê, está perdendo tudo e continua jogando." De acordo com o advogado de Gabriely, ela teve quadros de ansiedade e depressão.

"Você pensa 'eu tenho aquela conta para pagar, mas se eu jogar, vou ganhar para pagar e ainda vai sobrar' (...) Você joga e perde. Quando vê, foi o seu pagamento todo."

A família não sabia sobre suas dívidas e ela se sentia envergonhada em revelar a situação para seus pais. Segundo a sua mãe, com quem o Estadão conversou, eles sabiam que Gabriely já tinha usado o "Jogo do Tigrinho" e ganhado algumas vezes, mas não sabiam que ela estava viciada.

Ela diz que chegou a pegar dinheiro com agiotas e pediu o cartão de crédito emprestado à cunhada. Quando viu que a situação era grave, ao chegar ao montante de cerca de R$ 20 mil em dívidas, ficou com medo e decidiu fugir para a casa de uma conhecida - uma idosa, em Campo Grande. Foi lá que ela ficou durante os sete dias em que permaneceu desaparecida.

A enfermeira não revelou a identidade da mulher que a abrigou, mas disse que ela a ajudou e a incentivou a procurar os seus pais após a repercussão do seu desaparecimento na mídia. "Fiquei assustada", disse ela, ao comentar a exposição que o seu caso ganhou.

Também à emissora, o pai de Gabriely disse que enviou dinheiro para que a filha comprasse uma passagem aérea para São Paulo e a buscou em Guarulhos, na região metropolitana da capital paulista. Ele disse que está conversando com os credores da filha e pagando, aos poucos, o que ela deve.

"Estou correndo atrás para ter paz, ter minha filha de volta e eliminar isso (o jogo) da vida", afirmou Luiz Henrique Sabino. "Todo mundo que joga, que vê isso aí, isso é ilusão", alertou o pai.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: