X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Chuva vai continuar no Rio Grande do Sul em meio à elevação da Lagoa dos Patos


Com a permanência da chuva e previsão de temporais e vento forte no fim de semana, o Rio Grande do Sul está em alerta para o aumento no nível de rios, lagoas e outros cursos d'água, inclusive na Grande Porto Alegre. Um dos maiores pontos de preocupação é o entorno da Lagoa dos Patos, no sul do Estado, que está em elevação e abrange Pelotas, Arambaré, Rio Grande e mais municípios, onde algumas áreas receberam recomendação de evacuação.

Também voltou a subir o nível do Rio Taquari, na região central do Estado. A situação causa apreensão pela devastação de localidades na semana passada, assim como os impactos subsequentes na região metropolitana, diante do curso dessas águas até o Lago Guaíba - que segue em redução por enquanto, mas tem possibilidade de repique a partir de domingo, 12, ou segunda-feira, 13. Há elevação, também, em trechos do Rio Uruguai, em Uruguaiana, na fronteira com a Argentina.

Cerca de 2 milhões de pessoas foram impactadas pelo maior desastre ambiental do Rio Grande do Sul, de acordo com a Defesa Civil. O número de mortes subiu para 136, mas autoridades têm destacado que os dados são parciais e irão subir. Ao menos 444 dos 497 municípios do Estado foram afetados. Pelo menos 71,3 mil pessoas estão em abrigos e outras 339,9 mil estão desalojados.

Seis regiões do Estado estão em risco hidrológico severo, de acordo com a Defesa Civil, enquanto quase todo os restante está em situação de alerta ou atenção. A exceção é para alguns municípios do extremo sul. Também há preocupação com deslizamentos, especialmente na Serra Gaúcha.

"Devido ao prognóstico dos próximos dias, a Defesa Civil orienta às pessoas que moram em áreas com declive ou elevação nas regiões da Serra, Litoral Norte, Vales e Centro do Estado a respeito dos riscos da ocorrência de movimentos de massa nessas regiões", destaca em comunicado da noite de sexta-feira, 10.

Segundo destaca a Defesa Civil, a previsão é que as chuvas intensas e persistentes permaneçam em grande parte do Estado no domingo e na segunda. A onda de frio também tem começado a baixar as temperaturas, com previsão de que as mínimas cheguem entre 2º C e 10º C a partir de terça-feira, 14, quando a chuva deve dar uma trégua.

O Rio Taquari aumentou de 7,12m, à meia-noite, para 10,84m às 7h. Com o aumento, entrou na cota de alerta, mas ainda está abaixo da cota de inundação, que é de 18m. A medição é feita em Muçum, um dos municípios mais afetados no Estado.

No entorno da Lagoa dos Patos, na chamada Costa Doce, há registro de bloqueios e avanço da inundação. Prefeituras têm alertado para a dificuldade de medição do nível da água, que não foi mais atualizada pelo Estado desde a noite de sexta, quando estava com 2,48m, o dobro do registrado no dia 3. Cidades têm relatado elevação e níveis superiores. A cota de inundação é de 1,3m.

Em São Lourenço do Sul, parte dos abrigos estão lotados. Em Pelotas, a maior preocupação é com a Praia do Laranjal e a localidade de Valverde, com ao menos 632 pessoas em abrigos. No Rio Grande, a Prefeitura emitiu um alerta para a evacuação de mais áreas, com maior preocupação para a situação em partes do centro, da zona portuária, das ilhas e mais bairros.

A Santa Casa do Rio Grande decidiu transferir a emergência hospitalar temporariamente para o Hospital de Cardiologia. "Essa medida visa garantir a continuidade e a qualidade no atendimento às urgências", justificou em comunicado na sexta.

O Rio Grande do Sul está em estado de calamidade pública, com bloqueios em rodovias, pontes e vias de acesso, crise no abastecimento de mantimentos e falta de água e energia em parte dos municípios. Na Saúde, hospitais e postos de saúde foram afetados, com dificuldade para a obtenção de insumos e medicamentos essenciais.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: