search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Bolsonaro diz que fará novas trocas após mudar comando da Petrobras

Notícias

Publicidade | Anuncie

Política

Bolsonaro diz que fará novas trocas após mudar comando da Petrobras


O presidente Jair Bolsonaro sinalizou neste sábado (20) que haverá mais trocas em seu governo, um dia após indicar o general Joaquim Silva e Luna para o comando da Petrobras no lugar de Roberto Castello Branco após os últimos reajustes nos combustíveis. A intervenção foi mal recebida pelo mercado e fez a empresa pública perder bilhões em valor de mercado.

Em seu discurso, Bolsonaro deu a entender que não é capaz de fazer tudo o que gostaria, não neste contexto democrático (Foto: Isac Nobrega)
Em seu discurso, Bolsonaro deu a entender que não é capaz de fazer tudo o que gostaria, não neste contexto democrático (Foto: Isac Nobrega)
"Vocês aprenderão rapidamente que pior do que uma decisão mal tomada é uma indecisão. Eu tenho que governar. Trocar as peças que porventura não estejam dando certo", afirmou o presidente a novos soldados do Exército, numa formatura da Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas (SP).

"E se a imprensa está preocupada com a troca de ontem, na semana que vem teremos mais. O que não falta para mim é coragem para decidir pensando no bem maior da nossa nação. O mais fácil é se acomodar, é se aproximar daqueles que não têm compromisso com a pátria."

Somente na noite de sexta, a Petrobras registrou R$ 28,2 bilhões em redução de valor de mercado no Brasil e outros R$ 30 bilhões com os papéis no exterior, segundo banqueiros e gestores de investimentos que falaram com a Folha de S.Paulo sob anonimato.

A substituição despertou má reação do mercado, levando investidores a iniciar um desembarque das ações da estatal. As perdas acumuladas até a sexta-feira (19) somam R$ 60 bilhões e devem chegar a R$ 100 bilhões nesta segunda (22) devido ao que chamam de intervenção do governo na companhia.

Em seu discurso, Bolsonaro deu a entender que não é capaz de fazer tudo o que gostaria, não neste contexto democrático. "Alguns acham que eu posso fazer tudo. Se tudo tivesse que depender de mim, não seria este o regime que nós estaríamos vivendo. E apesar de tudo eu represento a democracia no Brasil."

Um mandatário afeito a ataques contínuos a jornalistas, diretamente ou por meio de aliados, ele voltou a dizer que trata bem esses profissionais. "Nunca a imprensa teve um tratamento tão leal e cortês como o meu. Se é que alguns acham que não é dessa maneira, é que não estão acostumados a ouvir a verdade."

A movimentação do lado de fora da escola de cadetes começou por volta das 7h. Além das duas filas de militares e familiares prontos para a formatura dos novos soldados do Exército, centenas de apoiadores de Bolsonaro também aguardavam a chegada do presidente em Campinas.

Polícia Militar, Guarda Municipal e a Polícia do Exército montaram um esquema de segurança. Estava também prevista uma carreata contra o presidente que chegaria próxima à Escola de Cadetes. Agentes da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), que gerência o trânsito do município, fizeram um bloqueio para evitar confrontos.

Sem máscaras, aglomerados, com bandeiras, cartazes e os gritos tradicionais dos apoiadores, Bolsonaro chegou à Escola por volta das 9h10. Entrou direto, sem cumprimentar quem o aguardava pelo lado de fora.

Deu início à cerimônia de formatura de 419 alunos, sendo 37 mulheres, que vão fazer a academia de novos cadetes do exército pelos próximos quatro anos.
O próprio Bolsonaro passou pela Escola de Cadetes de Campinas em 1973, antes de se formar na Academia das Agulhas Negras.

Poucos são aqueles que tocam sobre assuntos considerados espinhosos, como a prisão do deputado federal Daniel Silveira.

"Eu não concordo com a ação do deputado, mas acho que não é o Supremo Tribunal Federal que deveria avaliar essa situação", diz Valdira Santis, 56, que segurava um cartaz dizendo que o Parlamento é "covarde"

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados