Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Qual a Bronca?

Qual a Bronca?

Colunista

Redação A Tribuna

Queixa contra radar na 3ª Ponte

Jornal A Tribuna | 06/02/2022, 12:00 12:00 h | Atualizado em 06/02/2022, 12:01

“Moro na avenida Hugo Musso, na Praia da Costa, e tenho observado que o primeiro radar na descida da Terceira Ponte, na avenida Carioca, cuja velocidade máxima permitida é de 70 km/h, está causando congestionamentos nos horários de fluxo mais intenso”.

Essa é a reclamação do industriário Ricardo Politis Sued.

Segundo ele, o problema é que os motoristas sempre passam muito abaixo do limite máximo permitido pelo equipamento, que fica ativo o dia todo. “Minha sugestão é que o órgão responsável desative esse radar nos horários de pico, pois, com alto volume de carros, é impossível passar em alta velocidade”.

Radar na Terceira ponte que poderia ser liberado na hora de pico para melhorar o fluxo.
Radar na Terceira ponte que poderia ser liberado na hora de pico para melhorar o fluxo. |  Foto: Douglas Schneider/AT
 

“Soube que vão ampliar o número de pistas nessa avenida, mas acredito que os congestionamentos vão continuar por conta do radar, que obriga o condutor a passar abaixo da velocidade máxima permitida pelo equipamento”, finalizou.

O DER-ES  (Departamento de Edificações e de Rodovias do Estado) informa que a sugestão do morador foi encaminhada para a Diretoria de Operações de Trânsito do órgão para avaliar a possibilidade do aceite da sugestão.
Contudo, esclarece que, após a análise técnica, foi avaliado que não há possibilidade de mudanças no limite de velocidade do equipamento citado.

Os técnicos destacam que o equipamento de fiscalização eletrônica possui velocidade de 70 km/h e está instalado no sentido sul, em local que antecede os acessos à rua Inácio Higino e a alça da Terceira Ponte.

Radar na Terceira ponte que poderia ser liberado na hora de pico para melhorar o fluxo.
Radar na Terceira ponte que poderia ser liberado na hora de pico para melhorar o fluxo. |  Foto: Douglas Schneider/AT
 

Os técnicos ponderam que a operação ininterrupta do equipamento é imprescindível para garantir que os condutores realizem todas as manobras necessárias aos acessos, sem risco de acidentes graves na via e, em razão disso, não há como fazer alterações.

MATÉRIAS RELACIONADAS