Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Qual a Bronca?

Qual a Bronca?

Colunista

Redação A Tribuna

Dificuldade para se consultar

Jornal A Tribuna | 17/02/2022, 10:36 10:36 h | Atualizado em 17/02/2022, 10:37

Bronca

Jardim Camburi - Vitória

 
USB que está com sistema fora do ar e moradores não conseguem agendar consultas
Bronca Jardim Camburi - Vitória USB que está com sistema fora do ar e moradores não conseguem agendar consultas |  Foto: Thais Cardoso
 

“Há tempo, que a população carece de atendimento básico de saúde. Por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19), os atendimentos foram suspensos e, atualmente, há muitas pessoas com outras doenças graves que precisam ser tratadas. e não contam com atendimento médico”, reclama o aposentado José Ocarli Barcelos Pausem, morador do bairro Ilha do Príncipe, em Vitória.

De acordo com o leitor, nas Unidades Básicas de Saúde, o cidadão não encontra o atendimento simples e piora para quem depende de procedimento cirúrgico, a situação fica ainda mais grave.

“Preciso fazer um procedimento cirúrgico. Antes, porém, necessito fazer exames para apresentar ao cirurgião, e não consigo. Já meu filho está com um caroço no rosto, precisa de um dentista e não consegue atendimento na rede pública municipal”, destaca  José Ocarli.

A Secretaria de Saúde de Vitória informa que, para atender a crescente demanda de pacientes devido ao surto de gripe e à quarta onda de covid, ampliou o atendimento e reforçou a equipe de saúde em seis unidades básicas, que agora funcionam até 19 horas, de segunda a domingo, desde o último dia 5 de fevereiro.

São elas: Praia do Suá, Conquista/Vila Palestina, Maria Ortiz, Maruípe, Santo Antonio e Jardim Camburi.

Em horário normal essas unidades atenderiam de segunda a sexta-feira, das 7h às 19 horas. Com a ampliação a população contará com atendimento aos finais de semana.

Quanto a consultas e exames com especialistas, a Semus esclarece que a oferta de consultas e procedimentos aos especialistas solicitados pelo morador é realizada pelo Estado, que classifica as solicitações pelo quadro clínico do paciente e não por ordem cronológica de entrada do pedido.

MATÉRIAS RELACIONADAS