Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Plenário

Plenário

Colunista

Kleber Amorim

Lojistas pediram restrição em mercado

| 24/03/2021, 07:36 07:36 h | Atualizado em 24/03/2021, 08:37

Antes do decreto do governo do Estado limitando a venda presencial de produtos não essenciais, publicado no último sábado, o Sindicato dos Lojistas de Vitória (Sindilojvitória) pediu ao governo que os supermercados não vendessem eletrodomésticos e eletroportáteis. A informação foi confirmada pelo presidente do Sindilojvitória, Cláudio Sipolatti.

“O sindicato foi demandado por algumas empresas e fez o pleito ao governo pedindo a restrição de eletrodomésticos e eletroportáteis, porque temos no Estado três grandes operações que estavam se beneficiando com a venda de produtos não essenciais, o que foge do motivo do decreto”.

Sipolatti explicou que isso estava gerando uma concorrência desleal com os lojistas que tiveram de fechar na quarentena. “Se é para aumentar a taxa de isolamento, então a compra desses produtos precisa ser feita pela loja virtual, o que é um pouco menos injusto. Estamos há mais de um ano sofrendo. Solicitamos isso e fomos compreendidos pelo governador”.

“Estamos colaborando”
Com relação a protestos e carreatas de comerciantes, o presidente do Sindilojvitória, Cláudio Sipolatti, disse que está trabalhando para evitar prorrogação das medidas. “Nós, do sindicato, entendemos toda essa revolta, mas estamos trabalhando para que compreendam que o melhor é chegarmos a um bom resultado agora para evitar novas medidas”.

Em nome de Deus
Ao anunciar o fechamento até de mercados e farmácias e toque de recolher em Barra de São Francisco, o prefeito Enivaldo dos Anjos disse que agiu pela fé: “Em nome da fé que tenho em Deus e sabedor que ele não gostaria que um filho seu seja omisso, assino o decreto para proteger a população”. O município é o epicentro da nova variante do coronavírus.

Imagem ilustrativa da imagem Lojistas pediram restrição em mercado
Panela de pressão
Cresce nas Câmaras de Vereadores uma pressão para que prefeitos concedam auxílio emergencial aos mais vulneráveis. No ano passado, alguns prefeitos deram o benefício e, agora, muitos vereadores têm questionado se a ação do ano passado foi eleitoreira para justificar o pedido por novo auxílio.

24 horas para mudar decreto
O Tribunal de Contas do Estado deu 24h para 10 municípios revogarem ou alterarem decretos que batem de frente com o decreto estadual, liberando pra funcionamento presencial restaurantes, lanchonetes, óticas e salões de beleza na quarentena. Estão na lista: Afonso Cláudio, Cariacica, Conceição do Castelo, Ibiraçu, Iúna, Linhares, Santa Leopoldina, São Gabriel da Palha, Vila Pavão e Vila Velha. Pena é multa.

Câmara de Vitória quer aumentar valor de auxílio
A Câmara de Vitória prepara um estudo – a ficar pronto na manhã de hoje, antes da sessão – para analisar se pode aumentar o valor do auxílio que será dado pela prefeitura a 2.328 famílias carentes. Pelo projeto da prefeitura, o valor a ser concedido é de R$ 400, mas a Câmara economizou recursos no 1º trimestre do ano e poderá, se o estudo for favorável, devolver a verba à prefeitura com a finalidade de aumentar o valor do benefício. A cotação é de mais R$ 100.

Galeria

Petição por cassação
Rafael Primo, que foi candidato a prefeito de Vila Velha no ano passado, criou um abaixo-assinado virtual pedindo a cassação do mandato do deputado estadual Capitão Assumção, citando episódio em que o deputado ofereceu R$ 10 mil para quem matasse o suspeito de um crime.

Educação na pauta I
Em visita à Rede Tribuna, o deputado federal Neucimar Fraga citou projetos para reformular a Educação.

Educação na pauta II
A Câmara de Cariacica aprovou ontem projeto da prefeitura que cria o Conselho do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais.

Perguntar não ofende
Por que os que protestam contra medidas de restrição não pedem também vacinação em massa?

MATÉRIAS RELACIONADAS