Login

Imagem ilustrativa da capa de fundo do colunista Eduardo Pinheiro

Mundo Digital

Imagem do colunista Eduardo Pinheiro

Eduardo Pinheiro

Disparam golpes no comércio com perfis falsos de redes sociais

19/09/2021 10:43:09 min. de leitura

O que já vinha ocorrendo com regularidade agora está atingido níveis alarmantes. Golpistas intensificaram a criação de perfis falsos do Instagram e do Facebook para aplicar golpes no Estado. Apresentam as mais diversas modalidades de negócios do comércio para enganar os internautas que costumam aproveitar boas oportunidades e promoções pontuais. Que a internet é o lugar ideal para encontrar as melhores opções de preços de produtos e serviços toda mundo já sabe, mas as pessoas também precisam saber que a Web é o paraíso dos estelionatários e de outros tipos de criminosos.

Todos os dias surgem denúncias de comerciantes que tiveram os perfis oficiais dos seus estabelecimentos clonados com o propósito de aplicação de golpes.

Como sabemos que os perfis oficiais são abertos para o acesso ao público em geral, essa abertura facilita a ação dos golpistas, que copiam o tipo de abordagem, as fotos e o layout do perfil original para criar os perfis falsos.

O próximo passo é monitorar as ações dos estabelecimentos comerciais, para copiar também as suas promoções.

Desta forma, passam mais credibilidade para a abordagem que farão a centenas de internautas, muitas vezes seguidores ou clientes daquele respectivo comércio.

São perfis falsos de restaurantes, pizzarias, lojas de roupas, agências de viagens e pousadas, entre outras. A abordagem ocorrerá com o anúncio de alguma superpromoção ou vantagem para a vítima. Infelizmente, a maioria das pessoas acaba caindo nesses golpes, pois se deixa levar pela impulsividade e pelas vantagens oferecidas.

Para não cair nesses golpes, as pessoas precisam, em primeiro lugar, colocar como premissa a possibilidade de uma fraude.

A partir daí, investigar a respeito da promoção e da idoneidade do canal (ou perfil) utilizado para o oferecimento de um produto ou serviço.

A própria internet deve ser utilizada para esse levantamento, pesquise se o perfil utilizado na abordagem é, de fato, o perfil oficial do estabelecimento que está negociando.

Pesquise também outras formas de contato como telefone, e-mail e endereço físico, para assim ampliar os canais confiáveis de confirmação das ofertas e promoções.

A palavra de ordem é desconfiar sempre e ser conservador, detalhista e cauteloso na hora de realizar pagamentos de serviços ou produtos adquiridos no ambiente digital.

Por fim, vale lembrar que, muitas vezes, os golpistas querem apenas clonar o WhatsApp da vítima com o fornecimento de um código que é enviado via SMS.

Portanto, procure ficar atento a essas duas situações: o golpe no comércio e a clonagem do Zap.

E, com essas dicas finalizo, com muito orgulho e satisfação, o artigo de número 100 da coluna Mundo Digital. Que venham outros 100!