Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Fonte Grande

Fonte Grande

Colunista

Luiz Trevisan

Quarentena encurta plano de voo

| 21/03/2021, 08:52 08:52 h | Atualizado em 21/03/2021, 08:59

Neste início de quarentena, diminuiu drasticamente o movimento das aeronaves no Aeroporto de Vitória. A média de 40 a 50 voos diários, mantida nos primeiros dois meses deste ano, caiu para 12 voos, impacto das restrições de embarques nos terminais de São Paulo, Rio e Minas.

No terminal capixaba, com cerca de 400 profissionais atuando em turnos, a rotina alterou pouco até agora. O que se cogita é antecipar férias de pessoal nesta fase de menor movimento. A volta do chamado “céu de brigadeiro” não aparece nos radares.

Contágio em terra

O receio de contágios atribuídos aos terminais aéreos, aqui, ali, acolá, é questionado por pessoas que operam diariamente no Aeroporto de Vitória. Um agente aponta: “Há espaçamento delimitado, uso de máscara obrigatório, ar filtrado, álcool em gel por todos os lugares. No mais, são raros os casos de Covid-19 entre os funcionários do terminal”.

A flor e o espinho em Camburi. Em meio ao pó preto e pouca arborização ao redor, o flagrante da viçosa restinga em recuperação, na Praia de Camburi, Vitória, chama a atenção. E lembra a canção do inesquecível Nelson Cavaquinho: “Tire o seu sorriso do caminho, que eu quero passar com a minha dor. Hoje pra você eu sou espinho, espinho não machuca a flor”.

Imagem ilustrativa da imagem Quarentena encurta plano de voo

Bandes renegocia R$ 220 milhões

Entre 2019 e 2020, em função da crise econômica associada à pandemia, o Bandes formalizou 4.697 renegociações de dívidas de tomadores, num total de R$ 220 milhões. Para este ano, mais um atípico, o banco estuda novos produtos e possíveis novas repactuações.

A propósito

Houve época em que “influentes” tomadores de empréstimos do Bandes “empurravam” os processos indefinidamente, para não pagar. “Agora, não. Casos de inadimplência sem acordo são cobrados na Justiça”, salienta o presidente do banco, Munir Abud de Oliveira.

Apatia estudantil...

Nesta fase conturbada da vida nacional, política e sanitariamente falando, a falta de manifestações da classe estudantil provoca certo “incômodo” no reitor da Ufes, Paulo Vargas. Embora ele reconheça que o contexto – principalmente o quadro de isolamento e o discurso de ódio palpitando nas redes sociais – não favoreça as manifestações. “Há todo um desencanto com a movimentação política, e as pessoas estão temerosas”, pontua.

...Corte de verbas

Conforme já divulgado pela coluna, o corte orçamentário nas verbas de fomento e custeio da Ufes, neste ano, alcança R$ 32,8 milhões. Isso pode afetar, entre outros, o programa de auxílio-alimentação e inclusão digital para cerca de 5 mil estudantes de baixa renda. Amanhã, o reitor Paulo Vargas reúne os conselhos da universidade para detalhar a situação.

Ninguém vive por mim

O filho da cantora Cássia Eller, Chico Chico, vai incluir em seu disco de estreia uma composição do cachoeirense Sérgio Sampaio, “Ninguém Vive por Mim”. É aquela em que a letra, adequada aos tempos atuais, diz: “Fui tratado como um louco, enganado feito um bobo, devorado pelos lobos... O pior dos temporais aduba o jardim”.

Vanguarda do atraso

Bloco negacionista convocou manifestação em Marataízes, no próximo dia 28, para ingestão coletiva do vermífugo “Ivermectina”, para “prevenir contra a Covid-19”. Céus!


Curta


Energia solar no asilo... Convênio com EDP e verba destinada pela então deputada Luzia Toledo permitiram a instalação de painéis de energia solar no Asilo dos Idosos de Vitória.

...Turismo pede pasagem. Hoje diretora de Turismo da Prefeitura de Vitória, Luzia Toledo acredita que, mais adiante, o prefeito Lorenzo Pazolini irá reativar a Secretaria de Turismo.

Mundo se curva  Raynara Negrine, capixaba de Cachoeiro, de 17 anos, é a única brasileira na lista “Top Newcomers”, que aponta modelos estreantes que irão dominar passarelas do mundo.

Você decide e o interativo troféu “Pequi Roído” vai para...

Filosofia na pandemia “O canto sinistro das ambulâncias pelas ruas, dia e noite, está ficando ensurdecedor”. Entreouvido por aí.

MATÉRIAS RELACIONADAS