search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Banco é obrigado a devolver empréstimo a aposentado

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Banco é obrigado a devolver empréstimo a aposentado


Um aposentado, morador de Vitória, conseguiu na Justiça o direito de ter de volta mais de R$ 15 mil cobrados de forma indevida em um empréstimo consignado.

Carlos Alberto Ripoli, de 79 anos, pegou um empréstimo de R$ 5.600 com um banco em 2013. A expectativa era de que a dívida fosse quitada em 2018, mas, em 2014, um segundo banco pagou o empréstimo e transferiu a dívida para o idoso. A instituição fez uma portabilidade da dívida sem a sua autorização.

“Quando contratei o empréstimo consignado, eram descontados R$ 180 mensalmente do meu benefício. Depois, os descontos passaram para R$ 244. Estranhei a situação e, com a ajuda de uma advogada, acessei o extrato de consignação, onde constava que a dívida tinha mudado de banco sem o meu conhecimento”, relatou Carlos Alberto.

A dívida total superou os R$ 8 mil, e seria quitada somente em 2023. Com juros e correção monetária, o idoso deveria receber mais de R$ 15 mil da financeira. Mas apesar da decisão, que anulou a portabilidade, as cobranças continuaram, e a vítima ainda não foi ressarcida.

“Até ano passado, os descontos ainda chegavam. Em junho as cobranças pararam, mas no mês passado, os R$ 244 foram deduzidos a de uma conta corrente que tenho em outra instituição bancária”, reclamou o aposentado, que aguarda novos posicionamentos do banco e da Justiça.

A advogada Edilamara Rangel, especialista em Direito Previdenciarista e Trabalhista, afirma que casos como o de Carlos Alberto, infelizmente, são comuns.

“As instituições financeiras se aproveitam da vulnerabilidade do aposentado e do dinheiro fácil que vem do empréstimo consignado. Muitos só descobrem quando vão pedir um novo empréstimo”, explicou Edilamara.

A advogada tem uma cliente que também passou por essa situação, em que teve a portabilidade do empréstimo realizada sem autorização.

“A dívida da minha cliente também não terminava, e ela descobriu quando acionou o Procon para analisar o contrato. Assim como no caso do Carlos Alberto, o banco chegou a fazer transações na conta de outra instituição. Com a ajuda do Procon, as cobranças pararam, mas ela ainda aguarda o ressarcimento”, explicou.

Dívida sem fim no cartão de crédito consignado

Outros aposentados também relatam que tiveram dívidas intermináveis, mas com o cartão de crédito consignado.

Em um empréstimo consignado normal, são feitos descontos mensais no benefício. Mas com o cartão de crédito, além dos descontos, é necessário pagar o valor mínimo da fatura todo mês para quitar a dívida.

Porém, alguns bancos incluem o cartão de crédito consignado nos contratos sem o conhecimento do cliente.

“Foi o que aconteceu comigo e com a minha esposa. A gente nunca terminava de quitar os empréstimos, por causa da fatura de um cartão que nunca pedimos”, disse um aposentado de 67 anos, morador de Vitória.

O idoso conseguiu receber a diferença descontada no cartão. Sua mulher, porém, ainda aguarda decisão da Justiça. “Ela teve descontos mensais de R$ 70 por 12 anos, para uma dívida de R$ 1.000”, relatou o aposentado.

O advogado Sergio Araújo Nielsen tem centenas de ações judiciais envolvendo cartão de crédito consignado. “Com a decisão do juiz, a dívida do idoso é recalculada, como se fosse um empréstimo consignado normal. O banco ainda pode ser condenado a pagar indenização por danos morais”, ressaltou.


SAIBA MAIS
Como pedir a devolução do dinheiro


Problemas com empréstimos

  • Segundo especialistas, diversas instituições financeiras se aproveitam da vulnerabilidade dos idosos e realizam empréstimos consignados sem autorização deles.
  • Em outros casos, o aposentado solicita o empréstimo, mas a instituição financeira inclui uma margem extra no cartão de crédito consignado sem o conhecimento do cliente.
  • No caso do Carlos Alberto, ele já quitava um empréstimo quando teve a dívida transferida para um segundo banco. Foi feita uma portabilidade com descontos maiores e mais parcelas, prejudicando o aposentado.

Verifique irregularidades

  • Pelo aplicativo ou site “Meu INSS”, é possível acessar o extrato de consignação. Lá, constam todas as informações sobre empréstimos consignados, como o banco, valor do desconto e se há cartão de crédito no contrato.
  • Para evitar créditos não autorizados, é possível usar a plataforma para bloquear pedidos de empréstimo consignado, ou simplesmente o uso de cartão de crédito consignado.

Dinheiro de volta

  • Se houver cobrança indevida, o consumidor pode acionar o Procon. É possível agendar pelo App Procon-ES (para Android) ou pelo e-mail atendimentoapp@procon.es.gov.br.
  • É necessário entrar com ação na Justiça para receber o dinheiro de volta. No juizado especial cível, não há necessidade de advogado, mas o ideal é procurar um defensor público se não puder pagar um advogado.

Fonte: Procon e INSS.


Consumidor deve verificar extrato no site ou aplicativo

Para verificar a existência de cobranças indevidas, é importante que o aposentado sempre cheque o extrato de consignação no site ou no aplicativo “Meu INSS”.

“É importante lembrar que, na plataforma, é possível bloquear operações de empréstimo consignado. No app há ainda a opção de bloquear somente operações do cartão de crédito consignado”, frisou o advogado do consumidor Sergio Araújo Nielsen.

O diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, informou que têm aumentado as denúncias de empréstimos fraudulentos.

“As instituições financeiras oferecem um produto e entregam outro. Não há informação clara sobre o que o consumidor está contratando, e os mais lesados são os idosos e aposentados que, muitas vezes sem perceber, aceitam empréstimos desnecessários que irão reduzir o valor do benefício por meses”, apontou Athayde.

Antes de contratar um empréstimo, a primeira orientação do Procon é não tomar decisões precipitadas. Como medida de segurança, o consumidor deve verificar junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) se a instituição com quem deseja contratar está conveniada com o órgão.

O Procon aconselha ainda que o pensionista contrate empréstimos de instituições financeiras reconhecidas, que possuam filiais no Espírito Santo, facilitando contatos e negociações.

É importante ler bem o contrato antes de assinar. O ideal é comparar as taxas de juros de mais de um banco. Se houver dúvidas, o consumidor pode procurar o Procon mais próximo para esclarecimentos.
 

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados