search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Assim como nós perdoamos
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


Assim como nós perdoamos

Você perdoaria uma traição amorosa? Perdoaria uma demissão injusta? Perdoaria um amigo que te insultou? Foram algumas das perguntas que me fizeram num recente programa que tinha o perdão como o tema. Se eu respondesse “não”, a questão estaria encerrada, mas como me inclinei para o “sim”, vale um esclarecimento antes que eu ganhe o troféu Água com Açúcar 2020.

Perdoar me parece um verbo um tanto arrogante. Deus perdoa, Papas idem, padres também — simples mortais passam uma borracha no assunto. É o que faço, agora que sou uma mulher madura, sem tempo para desperdiçar com as obstruções que encontro pelo caminho.
Faz tempo que não uso mais este verbo, perdoar, desde que, poucos anos atrás, tive oportunidade de conversar com o jornalista Nelson Motta: fiquei encantada com a doçura, a leveza, a jovialidade daquele guri que estava na véspera de completar 70 anos. Qual o segredo? perguntei. “Não guardo rancor”.

É isso. Não guardar rancor é o mesmo que perdoar, só que sem a pompa. Ninguém precisa ajoelhar na nossa frente, nem rogar por nada. A gente simplesmente deixa pra lá e toca a vida.
Não é a coisa mais fácil do mundo, antes é preciso deglutir a pancada, mas há um limite de tempo para essa ruminação, caso contrário, envelhecemos arrastando correntes.

A medida do imperdoável é sempre a intensidade da dor. Quando somos jovens, tudo dói mais. Ainda nos sentimos especiais, mimados, e ai de quem abalar nossos sentimentos. Até que a gente amadurece e se dá conta que mágoas & afins estão na categoria “coisas que acontecem”.
Todos fazem besteiras, nós inclusive. Ninguém gosta de se sentir ofendido, mas alimentar a raiva é mau negócio: tudo que fica retido dentro da gente acaba nos implodindo de alguma forma. Poema de Vera Americano: “Perdão/duro rito/de remoção do estorvo”.

Já me aprontaram. Pessoas próximas, outras nem tanto. E daí? Estou mais preocupada em viver bem, tarefa que exige boa parte do meu tempo. Não sobra para dar cartaz aos vacilões.

Crime é outra coisa, a pessoa tem que se ver com a Justiça. E se mexerem com minhas filhas, esqueça tanta benevolência, viro uma leoa, saio da toca faminta pela jugular de quem se atrever.
Mas guardar rancor durante décadas por ter sido frustrada, negligenciada ou algo do tipo? É dar muita trela para nosso ego: ele é péssimo em dimensionar revezes, faz tudo parecer maior do que é.

Outro dia um amigo disse algo muito sábio: a maioria das pessoas agressivas não são más, são apenas infelizes. “Apenas” infelizes. Então, misericórdia.
Pragueje um pouco e depois esqueça a afronta, pois o castigo delas começou bem antes de terem cruzado com você.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

A terceira pessoa

Escrever ficção é sempre uma aventura pra mim. Acostumada a textos curtos e à prosa acelerada, a tarefa de mergulhar nas águas caudalosas de uma história longa é um desafio que exige tempo, foco e, …


Exclusivo
Martha Medeiros

Os padrões

Ela tem 26 anos, é formada em Direito e trabalha num importante escritório. Namora um engenheiro de 28, os pais de ambos são amigos e a festa de casamento já está sendo planejada pelas duas famílias. …


Exclusivo
Martha Medeiros

In natura

Fique em casa, fique em casa. Alguém acha que isso não interfere na nossa respiração? Tem muita gente sentindo falta de ar sem ter sido contaminada pela Covid. Eu mesma, outro dia, acordei no meio da …


Exclusivo
Martha Medeiros

Inalterável gerúndio

Saudades do particípio. De quando uma etapa era vencida. Uma crise, superada. A coisa acontecida. Agora é esta estrada que não acaba, este mistério que se alonga. Tudo se arrastando como um rio no …


Exclusivo
Martha Medeiros

Obrigada aos meus dias ruins

Se mordomia fosse mais importante para mim do que liberdade, teria morado na casa dos meus pais até casar. Se depois de 17 anos de casados, eu e meu marido não tivéssemos reavaliado nossa escolha e …


Exclusivo
Martha Medeiros

Sublinhados

Eu não parava de elogiar o livro. Afirmei que havia sido uma de minhas leituras mais desconcertantes, que vários trechos haviam mexido demais comigo, e minha amiga ali, de boca aberta, testemunhando …


Exclusivo
Martha Medeiros

E se não passar?

Estamos há quase quatro meses mergulhados numa pandemia que mudou nossos hábitos, nos impôs restrições, nos distanciou fisicamente e nos colocou frente a frente com nossas fragilidades. Vai ficar por …


Exclusivo
Martha Medeiros

Live

Tecnologia não é meu forte. Além da inaptidão, tem muita preguiça envolvida. Nada sei sobre cabos, operadoras e filtros. Nem mesmo sei de onde vem e quem paga a internet aqui de casa (desconfio que …


Exclusivo
Martha Medeiros

Levemente pirados

Continuamos dentro de nossas casas, vivendo entre quatro paredes – espaço que costuma ser amplo para alguns afortunados, porém exíguo para a maioria dos brasileiros e suas novas rotinas. Os que …


Exclusivo
Martha Medeiros

Você não pode ter sempre o que quer

A quarentena surpreendeu a todos. Havíamos recém- entrado em março, quando 2020 começaria para valer, mas em vez de dar início ao cumprimento das resoluções de fim de ano, fomos condenados à prisão …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados