search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Assassino de mulher morta dentro de casa em Marechal ainda não foi preso

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

Assassino de mulher morta dentro de casa em Marechal ainda não foi preso


O suspeito de assassinar a consultora de vendas Lorrany Walder Falcão, de 33 anos, dentro de seu apartamento, em Marechal Floriano, na última quarta-feira (24), ainda não foi preso. Por meio de nota, a Polícia Civil informou que o caso segue sob investigação no município da região Serrana, mas familiares da vítima afirmaram que ainda não foram chamados para prestar depoimento. 

 (Foto: Reprodução/Facebook)
(Foto: Reprodução/Facebook)
Lorrany estava com o casamento na igreja marcado para o próximo dia 8 de agosto. Em conversa com o Tribuna Online, uma prima da vítima, que preferiu não se identificar, contou que ela já era casada no Civil desde o ano passado e a cerimônia religiosa estava marcada para maio.

No entanto, devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), foi adiada para agosto. Para o casamento, segundo a prima, Lorrany já havia deixado tudo reservado. "Estava tudo encomendado, até o bolo. A festa seria numa casa de show aqui da região", contou. A expectativa era a de que, até agosto, o isolamento social por causa da pandemia, fosse um pouco liberado.

Lorrany foi encontrada morta dentro do apartamento onde morava, na zona rural de Marechal Floriano, na tarde da última quarta-feira (24).

Segundo policiais que atenderam a ocorrência, ela estava sem a parte de baixo do pijama que usava, apresentava sinais de violência sexual e tinha um corte profundo no pescoço. A prima relatou ainda que o marido da consultora é caminhoneiro e estava na estrada durante o crime.

A Polícia Civil destaca que a população tem um papel importante nas investigações e pode contribuir com informações de forma anônima através do Disque-Denúncia 181, que também possui um site onde é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas, o disquedenuncia181.es.gov.br. O anonimato é garantido e todas as informações fornecidas são investigadas.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados