search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Argentino visita 80 países e se apaixona por Guarapari

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Argentino visita 80 países e se apaixona por Guarapari


Martín montou um estabelecimento que funciona como bar, restaurante ao ar livre e hospedagem (Foto: Roberta Bourguignon/AT)
Martín montou um estabelecimento que funciona como bar, restaurante ao ar livre e hospedagem (Foto: Roberta Bourguignon/AT)

Após conhecer 80 países e carimbar oito passaportes por completo, o argentino Martín Clutterbuck, 45 anos, chegou em terras capixabas no Carnaval de 2012 e, através de indicações de amigos, seguiu para o balneário de Guarapari, onde se apaixonou pelo pôr do sol da Praia de Setibão.

Bem perto da praia, uma casinha antiga com quintal chamou a atenção do argentino, que rapidamente conseguiu descobrir quem era a dona e alugar o espaço, onde vive até hoje.

“Primeiro chegamos ao Centro. Tinha muita gente no Carnaval. As praias lotadas. E procurando um lugar mais calmo, viemos para Setibão, de onde nunca mais saímos. Estamos aqui há oito verões. A gente conta verões. Setibão é que me encanta”, brinca Martín.

Em meio à natureza e ao barulho do mar, o argentino já não pensa mais em se mudar.

“Nunca fiquei mais de dois anos em um mesmo país, e em Guarapari estou há oito. Cada vez menos tenho vontade de viajar. Em Setibão, encontrei tudo que procurava. Aqui, tenho as árvores, cachorros, jardim e mar. Natureza, tranquilidade, ausência de trânsito, bem distantes de tudo e, ao mesmo tempo, a cinco minutos de tudo. Não tenho vontade de sair daqui para nada”, revela ele.

Viagens

Martín começou a conhecer os países aos 17 anos, ao ganhar uma bolsa para estudar nos Estados Unidos. O aventureiro conta que na escola havia amigos do mundo inteiro e, em meio aos estudos, começou a visitar os colegas de sala de país em país.

“Comecei pela Coreia do Sul, depois fui para o Canadá, voltei para Argentina. Me formei em Ciências Políticas. Trabalhava com exportação e importação de produtos agrícolas e passei a viajar a negócios, visitando clientes.”

Na crise da Argentina, em 2001, ele foi para a Turquia. “Eu fui trabalhar em uma empresa que fazia importação e exportação de bovinos. Depois fui para a Itália, voltei para Argentina, fui para o Haiti para trabalhar em uma empresa de alimentos e nesse novo emprego passei a morar em Miami”, lembrou ele.

Quando não estava trabalhando, as viagens eram sempre para o Caribe. Martín conheceu todas as ilhas, totalizando 20 países.

Hospedagem para os aventureiros

Espaço fica na Praia de Setibão (Foto: Roberta Bourguignon/AT)
Espaço fica na Praia de Setibão (Foto: Roberta Bourguignon/AT)

Depois de um ano curtindo a natureza, o argentino Martín Clutterbuck, 45 anos, e o capixaba Conrado Piccin, 38, decidiram ser sócios e abriram na Praia de Setibão, Guarapari, o Playeros, estabelecimento que funciona como bar, restaurante ao ar livre e até hostel, que é um tipo de hospedagem mais simples.

Antes da pandemia, o local era aberto aos mochileiros e oferecia dormitório, café da manhã e jantar. Em troca, os estrangeiros trabalhavam 30 horas semanais. “Foi uma forma de ajudar os aventureiros que não têm muita grana para pagar hotel e comida”, diz Martín.

“É uma espécie de voluntariado. Eles podem dormir, tomar banho aqui e, em troca, trabalham durante uma semana ajudando na cozinha, na limpeza, no serviço de jardinagem e, dependendo do dia, dão banho nos cachorros também”, completou.

No cardápio, o argentino inseriu tudo o que não encontrou nos quiosques das praias.

“Quando cheguei em Guarapari, encontrei muita fritura nos quiosques. Então, decidimos oferecer tudo diferente, e por isso nem batata frita tem aqui no nosso restaurante. Na cozinha tem um pouco de cada país. As comidas não são típicas de outros países, são uma verdadeira mistura. Temos comida estilo coreano, argentino, de vários locais”, salientou Martín.

O estabelecimento funciona de sexta-feira a domingo e, durante a pandemia, é preciso fazer reserva antecipada. No verão, o atendimento é diário.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados