search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ao citar Trump, Mourão nega que Brasil desvalorize moeda artificialmente

Notícias

Política

Ao citar Trump, Mourão nega que Brasil desvalorize moeda artificialmente


O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou na manhã desta segunda-feira (2) que a decisão do presidente americano, Donald Trump, de aumentar tarifas sobre o aço e o alumínio vindos do Brasil e da Argentina são reflexo da tensão geopolítica com a China.

Mourão disse que a desvalorização artificial da moeda, motivo sinalizado por Trump para o aumento tarifário "não está acontecendo", mas não criticou o líder americano.

"Isso é característica da tensão geopolítica que estamos vivendo que gera protecionismo. É um movimento anticíclico em relação à globalização", afirmou a uma plateia de empresários em evento organizado pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), em São Paulo.

Hamilton Mourão  (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil )
Hamilton Mourão (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil )

O vice-presidente afirmou que a ascensão da China "abriu oportunidades para países como o nosso, tanto no sentido de dinamizar as nossas exportações", no desenvolvimento de tecnologia e na captação de investimentos em infraestrutura.

"Precisamos de financiamento e os chineses estão dispostos a financiar, então vamos tratar com eles".

Mourão deixou o evento sem falar com jornalistas. Em seu discurso, defendeu a urgência das reformas administrativa e tributária.

"Precisamos reverter o aumento dos gastos primários, especialmente os obrigatórios, que hoje consomem 94% dos recursos. Precisamos abrir espaço para o orçamento. Na trajetória atual, em 2022 o Estado só paga pessoal, se não fizermos nada. Não dá para adiar [a reforma administrativa]".

Veja mais:

Bolsonaro diz que pode falar com Trump sobre tarifa do aço


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados