search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Animais de estimação correm risco de obesidade durante isolamento
AT em Família

Animais de estimação correm risco de obesidade durante isolamento

Neste período de quarentena em que as pessoas estão em casa por mais tempo, não são só os humanos que estão comendo demais. Os animais também! E, com isso, aumenta o risco de obesidade nos pets.

De acordo com a veterinária Sara Soukef, a obesidade cresce por conta do maior convívio dos donos com seu pet e da diminuição das atividades físicas, já que ficou mais difícil sair para passear. Essa convivência acaba implicando a oferta maior de comida.

 (Foto: Freepik)
(Foto: Freepik)
“A atenção com o manejo alimentar deve ser redobrada neste momento. A alimentação base, a ração, deve ser dada na forma ideal que o animal tem que comer. Recomendo pesar com a balança de cozinha para dar o que é essencial”, destacou.

Sara orientou que a quantidade necessária é fácil de ser definida porque os rótulos das rações já trazem a quantidade específica, baseada no peso do animal e até no nível de atividades que ele costuma praticar.

Já a veterinária especialista em nutrição animal Jacquelyne Motta ponderou que o grande problema dos cães neste período de isolamento é a ansiedade e o tédio porque eles, assim como os humanos, estão acostumados a ter uma rotina diária, o que inclui horário para comer, para passear e para fazer as necessidades, por exemplo.

“A rotina deles também está prejudicada por conta da pandemia. Eles, assim como muitos de nós, às vezes descontam essa ansiedade e ociosidade na comida. Começam a querer e pedir mais e a gente acaba dando coisas como bordas de pizza e lascas de pães”, avaliou a especialista.

Jacquelyne afimou ainda que a conduta é totalmente inapropriada, visto que esse tipo de alimento não é bom para os bichos.

Para resolver o problema da obesidade em animais, Marcela Keller, veterinária residente do Hospital Veterinário Unesc, indica dieta e atividade física.

“Deve ser elaborado um plano de emagrecimento, com ração balanceada, onde se aumenta o número de vezes em que o pet come, mas se diminuem as porções. Os animais devem fazer exercícios contínuos como corrida com arremesso de objetos e obstáculos, por exemplo”, apontou. A médica ressaltou que dá para estabelecer uma rotina de exercícios em casa.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados