search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Alunos estudam em contêiner há 10 anos

Notícias

Cidades

Alunos estudam em contêiner há 10 anos


Lá se vão 10 anos desde que a Prefeitura de Vila Velha instalou módulos improvisados para os alunos da Escola Nair Dias Barbosa, em Ponta da Fruta. A estrutura das salas de aula, feita com paredes de PVC, no modelo de contêiner, é motivo de preocupação diária para os pais dos cerca de 160 alunos do ensino fundamental.

Escola  Nair Dias Barbosa (Foto: Leone Iglesias)
Escola Nair Dias Barbosa (Foto: Leone Iglesias)
Para piorar ainda mais a situação, parte dos módulos está desativada porque o teto caiu. Além disto, a obra que seria feita para resolver o problema não foi concluída, atrasando o início do ano letivo.

“É uma estrutura quente, abafada e pequena. São módulos instalados de forma provisória que acabaram ficando como definitivos”, afirmou o presidente do Movimento Comunitário de Ponta da Fruta, San Clever Nunes.

De acordo com Nunes, a estrutura foi construída há 10 anos para aumentar a capacidade da escola, que não atendia mais a população do bairro. Nos últimos anos, o teto de quatro dos seis módulos começou a cair, fazendo com que o espaço precisasse ser interditado.
“Já era ruim, piorou mais”, disse, revoltada, Luana da Silva Carneiro, mãe de um aluno.

Pais e alunos estão revoltados (Foto: Leone Iglesias / AT)
Pais e alunos estão revoltados (Foto: Leone Iglesias / AT)
No ano passado, a prefeitura iniciou uma obra para reformar a escola, mas o serviço atrasou, adiando o início das aulas. Em vez de começarem no dia 4 deste mês, só tiveram início na última segunda-feira.

“Os módulos continuam sem ar-condicionado e, para piorar, jogaram areia no teto, o que retém ainda mais o calor”, afirmou Nunes.

A situação do colégio de Ponta da Fruta é semelhante à da Escola Emília do Espírito Santo Carneiro, na região de Vale Encantado, no mesmo município.
Em março do ano passado, a reportagem de A Tribuna mostrou que os alunos também estudavam, por 10 anos, em um espaço improvisado, feito com estruturas metálicas.

Sem projeto para mudanças

Mesmo diante das reclamações, a Prefeitura de Vila Velha informou, por nota, que não tem projeto para substituir os módulos de PVC por outra estrutura.

Sobre a reforma, a administração municipal disse que uma reunião foi realizada com os pais no último dia 11, quando ficou decidido, por consenso, que a empresa responsável criaria condições para que as aulas se iniciassem na última segunda-feira.

Já o prazo para finalização do teto é de dois meses. “A área em reforma está isolada para garantir a segurança dos alunos”, diz a nota.

Sobre a Escola Emília do Espírito Santo, a prefeitura disse que o local foi reformado, mas as aulas ainda acontecem nos módulos.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados