search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Alunos escrevem livro para homenagear professor de 84 anos

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Alunos escrevem livro para homenagear professor de 84 anos


João Baptista Herkenhoff disse que o livro escrito por alunos foi o maior reconhecimento que recebeu na vida (Foto: Beto Morais/AT)
João Baptista Herkenhoff disse que o livro escrito por alunos foi o maior reconhecimento que recebeu na vida (Foto: Beto Morais/AT)

Os longos anos dedicados à carreira de jurista no Estado, bem como ao ensino do Direito, que podem ser mensurados em suas mais de 50 obras publicadas, fizeram o professor João Baptista Herkenhoff ganhar uma homenagem especial no dia do seu aniversário de 84 anos.

Ex-alunos, alunos dos ex-alunos, professores, pesquisadores e defensores dos Direitos Humanos no Espírito Santo lançaram a obra coletiva “Direitos Humanos: estudos em homenagem ao Professor João Baptista Herkenhoff”.

Os 20 coautores do livro, que são oriundos de diversas partes do Brasil, expressam na obra o seu reconhecimento e registram uma parte do legado do professor João Baptista na formação jurídica humanista de milhares de alunos, por meio de artigos.

De acordo com a organizadora da obra, a professora Gilsilene Passon Francischetto, a ideia de produzir o material surgiu há seis meses, a partir de conversas e discussões sobre tudo o que foi ensinado pelo professor.

“Diante de tudo o que ele proporcionou para a comunidade jurídica do Estado, ficamos imaginando uma forma de prestar uma homenagem em vida. Daí surgiu a ideia do livro. Cada autor, na introdução do seu texto, tentou narrar sua trajetória e como que o professor ajudou. O livro é apenas um símbolo para externar nossa gratidão a ele”, apontou Gilsilene.

Em função da pandemia do novo coronavírus, o lançamento da obra precisou ocorrer de forma virtual, no último dia 19, data do aniversário do professor.

“Era o meu aniversário e meu filho disse que algumas pessoas queriam me desejar parabéns. Ele ligou o computador e me deparei com a surpresa. Me emocionei muito”, contou o professor, que afirmou ter sido o melhor reconhecimento de toda a sua vida.

No artigo que escreveu para a obra, Verônica Bezerra, que é mestre em Direitos e Garantias Fundamentais, conta sobre um caso que atendeu há alguns anos e no qual tomou como base os ensinamentos de João Baptista.

“Fui assistente de acusação no caso do assassinato do padre Gabriel Maire e relatei essa experiência no meu artigo. Citei em quais obras e ensinamentos do professor eu me inspirei”.

João Baptista Herkenhoff, professor: “Foi melhor do que ganhar o prêmio Nobel da Paz”

Com um “sorriso na voz” e ansioso, o professor João Baptista Herkenhoff garantiu que nunca se sentiu tão consagrado em toda sua vida como se sente hoje, após ter sido homenageado com um livro por seus ex-alunos.
“Foi melhor do que ganhar o prêmio Nobel da Paz”, afirmou.

A Tribuna- Como foi para o senhor receber uma homenagem como essa?

João Baptista- Foi a maior homenagem que eu recebi na vida. Nunca vou esquecer.

Ficou emocionado?

Muito! Não imaginava. Fizeram uma surpresa no dia do meu aniversário de 84 anos.

Como foi a surpresa?

Meu filho chegou em casa dizendo que algumas pessoas queriam conversar comigo de forma online. Ele ligou o computador e, de repente, vejo quase 50 pessoas, entre ex-alunos, alunos de ex-alunos e amigos. Todos me deram parabéns e falaram do livro. Meu filho já estava com alguns exemplares nas mãos nesse momento. Foi muito bonito.

Quando começou a sua paixão pelo Direito?

Aos 17 anos, quando vim de Cachoeiro para Vitória só para estudar Direito. Depois, me tornei advogado, promotor e juiz.

O que te atraiu nos Direitos Humanos?

Sou mais entendido por quem veio de baixo e essas pessoas são as que mais precisam de ajuda. Ver o sofrimento do povo, me motivou a seguir nessa área e a lutar por ela. Por isso me dediquei tanto.

Como foi sua infância e adolescência, simples?

Sim. Meus pais eram professores e eu, o filho mais novo de 11 irmãos. Éramos de classe média.

João Baptista foi surpreendido no aniversário pela homenagem online (Foto: Acervo pessoal)
João Baptista foi surpreendido no aniversário pela homenagem online (Foto: Acervo pessoal)

Surpresa durante festa virtual de aniversário

No aniversário de 84 anos, completados no último dia 19, o professor João Baptista Herkenhoff foi surpreendido com uma festa virtual que comemorou o lançamento de uma obra dedicada à ele.

A festa virtual, feita por meio de uma plataforma de conversas, contou com a presença de aproximadamente 50 pessoas, dentre ex-alunos, alunos dos ex-alunos, professores, pesquisadores e familiares.

“Como não seria possível fazer o lançamento em função da pandemia, busquei os exemplares do livro, bem como um arranjo de flores. Compramos um bolo e aproveitamos para comemorar o aniversário e o lançamento do livro”, conta o filho do professor, Gustavo Herkenhoff.

“Essa homenagem valeu por toda a minha vida”, disse o professor
Boa parte dos convidados que participaram do evento, ajudaram na criação da obra escrevendo artigos.


Perfil


Nome

  • João Baptista Herkenhoff

Nascimento

  • Em Cachoeiro de Itapemirim (ES). No dia 19 de junho de 1936

Currículo

  • Pós-doutor pela Universidade de Rouen (França) e pela Universidade de Wisconsin (EUA).

  • É livre-docente pela Ufes.

  • Mestre em Direito pela PUC-Rio.

  • Graduado em Direito pela Faculdade de Direito do Espírito Santo.

  • Foi professor da Ufes.

  • Promotor de Justiça.

  • Juiz do Trabalho.

  • Juiz de Direito no Espírito Santo.

  • É membro da Academia Espírito-Santense de Letras e de várias entidades nacionais e internacionais ligadas aos Direitos Humanos.

  • Em 2008, foi agraciado com a “Comenda Jerônimo Monteiro” e com o “Prêmio Dom Luís Fernandes” pelo governo do Espírito Santo.

  • Recebeu o “Prêmio Honorífico Jair Etienne Dessaune”, da Ufes.

  • Em 2006, recebeu o “Prêmio Innovare” pelo seu trabalho “Crime: tratamento sem prisão”.

  • É jurista e escritor.

  • Com 50 livros publicados, é professor itinerante, palestrante ativo, articulista de diversos jornais, além de advogado.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados